segunda-feira, 29 de junho de 2015

In a world like this I got you - saga backstreetíca parte III

Nota: este post está enorme, porque quis levar todos vocês comigo, de alguma maneira. A maior parte das imagens (fotos e vídeos) foram feitas por mim, sendo que os dois vídeos que foram filmados por outras pessoas têm o crédito nas legendas. Se você quiser saber um pouco de como foi a véspera de tudo isso, pode ler a parte I e a parte II, mas a falta de leitura delas não prejudicará o entendimento do que segue abaixo. Este registro também faz parte do item 74 da minha lista de 101 coisas em 1001 dias, que era ir a um soundcheck dos Backstreet Boys.
Desde já, obrigada por me acompanharem nesta empreitada! ;)


Backstreet Boys - Por Fernanda Rodrigues (Algumas Observações)
Um item a menos na minha lista de 101 coisas em 1001 dias: o meu primeiro soundcheck foi assim, Amor Puro! ♥



Hey pessoal, cheguei! 
Eu sei que abandonei o blog. Duas semanas. Senti saudade, mas precisava processar toda a informação, entender tudo o que estava sentindo. Organizar os pensamentos... O fato é que sobrevivi à maratona backstreetíca e, conforme prometi, vim aqui narrar tudo a vocês. Eu sei também que ando meio insuportável com isso, mas os dias 12, 13 e 14 de julho foram mágicos e eu só tenho agradecer não somente a Deus, mas também a todo mundo que esteve comigo, torcendo para que tudo saísse do jeito que eu sempre sonhei. Assim o foi. É claro que isso ainda vai render aqui no blog, porque tenho muitas coisas para contar. Sem dúvida, esses três dias entraram para o topo dos melhores momentos dos meus 28 anos de vida e felicidade compartilhada é felicidade multiplicada - cada vez mais acredito nisso!

A semana do show

Eu passei a primeira semana de junho bem, tentando conter e controlar as emoções. Acho que a Karlinha e as minhas amigas do trabalho estavam mais ansiosas do que eu, me perguntando a todo instante se eu estava preparada. A Claudinha, minha coordenadora na escola, queria porque queria saber quais roupas eu iria usar durante o soundcheck - sendo que, para ser muito honesta, nem eu sabia direito. A Karlinha me mandava inbox todos os dias dizendo "você está ansiosa?" e, cada vez que recebia um "não, estou feliz, mas ansiosa, não", respondia: "deixa que eu fico por você, então".

O fato é que naquela semana eu tive um problema com parte dos preparativos da viagem que farei em julho (depois falo sobre isso em outro post) e o meu foco estava em resolver tudo o mais rápido possível. Como vou com uma amiga que vem do Rio, e é a nossa primeira viagem internacional, estamos planejando tudo para termos a menor quantidade de problemas possíveis. Quando o primeiro surgiu, me descabelei a ponto de focar mais na viagem do que no show.

Ainda assim, recebi várias mensagens de carinho ao longo da semana. Gente que conheci ao longo desses 19 anos de vida de fã e que sempre, sempre, sempre desejou que eu chegasse a esse momento. O carinho vindo em mensagens do whatsapp e do facebook só fizeram esta turnê ser extremamente especial para mim. Sem palavras para o amor que recebi não só ao longo da semana, mas também durante os três dias de soundchecks, meet & greet e shows. :)

O e-mail com as informações de check-in do soundcheck.



A ficha só começou mesmo a cair quando recebi o primeiro e-mail, com a informação do soundcheck do dia 12. Sabe quando bate aquela sensação de "MEU DEUS! Isso REALMENTE é real!" (sim, realmente, real, com todo o pleonasmo possível e imaginável!). Pois bem, foi assim que eu senti o primeiro frio na barriga - e, confesso, tentei controlá-lo.

A sexta-feira: pré-show

Minha manhã de sexta começou bem cedo - quem me conhece, sabe que não gosto de acordar cedo, mas quem disse que eu consegui dormir? - com o meu pai resolvendo me ajudar com o problema da viagem e me dar uma carona ao Citibank Hall (que é perto da minha casa, mas extremamente contra-mão para ir de transporte público).

Logo cedo, recebi o carinho da Karlinha e várias mensagens de quem eu amo. Algumas pessoas estavam sem falar comigo há tempos, mas fizeram questão de dizer um "Fê, vai dar tudo certo!". Isso, de novo, foi incrível! - desculpem se eu for repetitiva com isso, mas eu realmente me sinto grata a tanto carinho! 

Exemplo de mensagem linda que recebi no whatsapp.
Nath, amo você! ♥


The soundcheck party

Saí com o meu pai, resolvi o problema da viagem e rumamos para o Citibank Hall. O clima estrava estranho, meio nublado, querendo chover, contudo a animação estava a mil por hora. Ao chegar lá, já rolou a primeira risada do dia. A conversa foi mais ou menos assim:

Bia: Já cheguei, você está chegando?
Eu: sim, estou quase chegando.
Bia: vai vir pela Marginal? Estou na rua de trás.
Eu: Meu pai falou que me deixa na rua de trás... 
Bia: ok.
Eu: Só eu to rindo com esse "rua de trás"? uahhahhahah
Bia: também pensei nisso! uahahaha

Pois é. A Backstreet do Citibank trás muitas lembranças da Unbreakable Tour e da This is us Tour. E eu desafio qualquer fã de backstreet boys falar que está na "rua de trás" sem rir. Eu sempre me lembro do vídeo de Everybody e o seu "I'll be back, backstreet!". 

Estava lá com a Bia, às 16h e, aos poucos, nossas amigas foram chegando (algumas vindas de outros estados). Às 17h, abriram os portões. Mostramos o ingresso, pegamos a pulseirinha, depois passamos em uma mesa em que mostrávamos a nossa ordem de pedido e retirávamos os crachás equivalente ao pacote que havíamos comprado. Para sexta-feira comprei o Bronze, que era o mais barato e dava direito apenas à passagem de som. Crachá entregue, hora de ir para a fila do Bronze esperar.
Lá no saguão encontrei a Adrika e conheci a queridona (já era amiga no facebook, mas a gente nunca tinha se visto) da Victoria Siqueira (do blog Borboletando!). Ficamos todas por lá até entrarmos. Muito amor!

Quando finalmente liberaram a entrada para o soundcheck, o coração bateu forte. Eu sabia que só abraçaria e beijaria no dia seguinte, mas - mesmo assim - valeu muito a pena mesmo ter ido à passagem de som. Vê-los entrando ali, tão perto, foi de tirar o fôlego.

Eu fiquei tão em choque só conseguia vibrar e vibrar! A pobre da Bia teve que aguentar todos os meus surtos, tadinha! (Gente, muito sério! A Bia deveria ganhar um prêmio por tudo que ela teve que aguentar! Bia, amo você!) Sei que eles entraram e cantaram Sugar, do Maroon 5, e eu gravei o comecinho (porque depois quis dançar! uahahah):



Até este momento, eu estava bem (acho)... Então veio 10,000 promises - música gravada no 2º álbum deles na Europa e no Brasil e no 1º nos EUA. Sabe aquela música que você acha que nunca mais vai ouvir na sua life?! Pois é, é essa. Dei aloka e gravei um trechinho que foi ao ar, na mesma hora, no instagram:


Então, eles vieram até a plataforma e cantaram Undone. Para quem não sabe, essa música faz parte do This is us, um dos dois álbuns que não conta com a participação do Kevin, e é uma das minhas preferidas - a ponto de me fazer comprar o cd do autor dela! Meu sonho era ouvir Undone com o Kevin cantando. Conseguiram imaginar como o meu coração pulou dentro do peito?! Eu sei que, na hora, eu fiquei besta, rindo a toa! Avistei a Mirela - uma amiga queridona que mora no interior - e fui dar um abraço nela. Quando a gente está feliz, a gente só quer compartilhar.


Esse vídeo não foi feito por mim. 
Encontrei no youtube e já agradeço a miga que postou!

Começou o Q&A (a parte de perguntas e respostas do soundcheck) e eu achei simplesmente genial a "pergunta" da Jéssica. Sério, não conheço a menina, mas ela foi muito esperta e merece os parabéns. Eu passei muito tempo pensando em coisas para perguntar e como não tive uma ideia boa, simplesmente resolvi não tentar falar nesta hora. Voltando à Jéssica, ela pediu para eles pegarem a câmera e gravarem uma mensagem para ela. Adivinhem? Sim, eles fizeram isso! Abaixo o vídeo bem-humorado da mensagem para a Jéssica de 2035 (pode dar o play, porque além de ser legal e compartilhar, ela ainda legendou o que eles disseram!):


Créditos do vídeo: Jéssica Modono.


Fazia muito tempo que não tirava foto com a câmera compacta. Demorei um pouco para me entender com ela, mas registrei algumas imagens para guardar no coração, como a que abre o post. Tudo muito rápido e tudo muito lindo. 

Já no finzinho, tive o meu primeiro teste do inglês sobre pressão psicológica. A Adrika queria entregar uma cartinha para o AJ, e eu havia prometido para ela que ajudaria a fazer isso. Quem me conhece sabe que eu prometo as coisas e faço de tudo para cumpri-las. De qualquer maneira, como eu nunca tinha falado inglês durante um estado pleno de felicidade como esse, prometi sem saber se daria certo. Graças a Deus, deu e isso me provou o quanto domino as minhas habilidades de verdade (mesmo sabendo que o teste mesmo seria no dia seguinte).

Resolvemos entregar a carta para o Justin - ele é da produção dos cara há anos! - e eu nunca tinha falado com ele antes, porque nunca tinha ido a um soundcheck. Ele passou por nós e, mesmo em meio a todo o barulho e estando com pressa (o soundcheck estava prestes a terminar e ele era o responsável por fotografar o Meet & Greet), ouviu o meu "Justin...?" que fora dito em um tom de voz normal. Então, ele parou, voltou e me ouviu dizer que a minha amiga fez uma carta e o meu pedido para deixar com ele para que ele a entregasse. O mais legal é que ele fez isso com um sorriso enorme no rosto e uma disposição de quem realmente iria fazer isso (a gente sabia que ele entrega, porque já ouvimos alguns relatos a respeito). Depois de soltar um "sure", a primeira pergunta que ele fez era se a carta tinha o nome do destinatário (ele mesmo virou o pedaço de papel e encontrou o nome do AJ lá), logo em seguida, disse que era para que ficássemos tranquilas, que ele entregaria, e saiu. A Dri começou a chorar de felicidade e a Vic e eu fizemos um montinho de alegria em cima dela. Abraços e mais abraços, porque a felicidade deve ser compartilhada! Só de participar deste momento, Já valeu a pena estar ali! ♥

Acabado o soundcheck, quem comprou os outros pacotes foi tirar a foto com eles. As demais meninas do Bronze e eu voltamos para o saguão (e fomos as primeiras da fila para voltar depois!) e aproveitamos para comer, ir ao banheiro e fazer fotos.

Mini encontro de blogueiras no show duzomi: Dri, Vic e eu! ♥ 

O show

Como fui uma das primeiras da fila do bronze, consegui encontrar as minhas amigas que eram gold e platinum na grade. A espera, como acontece sempre quando a gente quer que algo chegue logo, foi muito longa. Alguns minutos antes de começar, ouvimos uma gritaria e vimos que o Marcos Mion estava no recinto, com a esposa. Foi legal, porque todo mundo sabe que o Mion é fã desde sempre e ver o post dele no intagram no dia seguinte só comprovou isso (para ver, clique aqui).

Eles entraram e estavam incríveis. A plateia, por sua vez, estava intensa. Mas, ao contrário do que pensei, todo mundo estava muito comportado no quesito "empurra-empurra", o que foi ótimo, porque deu para curtir bem. O Nick estava cheio das gracinhas para a Rê, o que foi muito divertido de ver, assim como o Howie, que não parava de das as piscadinhas para a Pati (que ganhou a toalha dele no fim do show). 

Fiquei feliz porque, apesar da emoção, consegui gravar algo que sabia que era especial desde de o meu primeiro show deles (lá em 2001). Fiz um videozinho com o Kevin falando "Boa noite". Amor eterno - mesmo eu tendo tampado um pouco o microfone da câmera e o som tendo saído um muito pouco abafado.



A turnê estava imperdível e foi bonito vê-los comemorando o aniversário da menina que trabalha com eles on stage (como não rir com o Brian enfiando o nariz no bolo?) 


Backatreet Boys in SP - Foto por Fernanda Rodrigues
A hora do parabéns!




Passado o Happy Birthday fofurinha, fomos para a parte do acústico. Dele, destaco o Howie em um momento "Shake your Bunda!". Porque todo mundo ria e gritava, enquanto o Howie mexia e mexia em um ritmo mexicano (?), mostrando todo o sangue porto-riquenho que corre nas veias (para quem não sabe, a mãe dele é natural de Porto Rico):



O acústico é incrível. Madeleine é tão, mas tão fofa! De qualquer forma, a minha parte preferida é, sem dúvida, Quit Playing Games! Música no topo das preferidas da VIDA! ♥  Não é a toa que uma das minhas fotos preferidas é o Howie indo para a galera e falando para todo mundo cantar o refrão. Vamos lá?!

Backatreet Boys in SP - Foto por Fernanda Rodrigues











[Lado direito:]
Quit playin' games with my heart
Before you tear us apart (my heart)
Quit playin' games with my heart
[Lado esquerdo:]
I should've known from the start
You know you got to stop (from my heart)
You're tearing us apart (my heart)
Quit playin' games with my heart

Esta foi a primeira vez que estive tão perto deles! Foi incrível. Nos outros shows das outras turnês, assisti de perto, mas nunca assim, da grade. A emoção é outra, a forma como eles interagem com as pessoas é surreal.

Para ver todas as fotos, acesse o álbum no flickr, clicando aqui.

Dia 12 só veio para confirmar que a In a World Like This Tour estava realmente incrível e para dar uma pequena prévia do que sentiria nos dias 13 e 14. Porque sim, eles conseguiriam ser mais mágicos e mais perfeitos ainda! 

(Mas isso é descrição para as próximas postagens!)

Beijos e queijos! :*

_____________________________________________________________

sexta-feira, 12 de junho de 2015

In a world like this I got you - saga backstreetíca parte II

Ingressos dos shows e dos soundchecks. 

Hey there!
Espero que tudo esteja bem com cada um de vocês. Aqui a vida segue ansiosa ao infinito e além! Uahahaha

Como contei no último post, vou aos shows dos Backstreet Boys. A atualização da vez é que eu consegui comprar o ingresso para o dia 13 de junho também. E este capítulo da saga foi assim:

Ingresso dia 13

No domingo de manhã, após o show de Recife, uma amiga minha - Bia, sua linda! - me mandou um inox com um: "Fê, vamos no show de domingo?". Tudo estava esgotado, por isso entramos em todos os grupos possíveis para ver se encontrávamos 2 ingressos no mesmo setor.

Quando foi na segunda à tarde, uma outra amiga nossa - San, te amo! - compartilhou no facebook que tinha 2 ingressos extras para a pista premium de domingo. E lá fomos Bia e eu atrás deles! À noite, fechamos a compra e ficamos felizes!

Soundcheck dia 13

No meio do chat entra a San, a Bia e eu, acabei soltando um: "agora só não me digam que tem soundcheck à venda... Nem vou olhar". É claro que a San, muy amiga, respondeu com um: "para domingo tem todos". A tentação era grande, mas não tinha limite no cartão para comprar as coisas da viagem e mais um soundcheck... Aí a Bia disse que me emprestava o cartão dela e... Tacharam! Lá estarei eu, mais uma vez, tirando foto com os menus queridos preferidos!

Resultado: quem tem amigos tem o mundo! Esta, sem dúvida, é a melhor parte de ser uma Backstreet Fan! 

Véspera

As horas parecem que se arrastam! Mas o mais legal, o mais lindo, o mais tudo, tem sido ver as amigas realizando sonhos de ver os cinco de novo, de falar e conseguir fotos extras (na praia, no hotel, no aeroporto), de ver as pessoas lindas que estão torcendo por mim. Isso não tem preço que pague. Isso é o que eu chamo de amor! 

_____________________________________________________________

domingo, 7 de junho de 2015

{101 coisas em 1001 dias} In a world like this I got you - a saga backstreetíca: parte I

Item 74: Ir a um soundcheck dos Backstreet Boys



Nota: este é o primeiro post da série: In a world like this I got you! (Porque vai ter backstreet boys sim, e se reclamarem, posto o triplo!)

Eu juro que eu tentei me segurar para fazer o post depois que tudo isso acontecesse. Como falar de um item que ainda não foi cumprido? Pois é. Não sei como será este post, mas sei que preciso fazê-lo, para não enlouquecer. So, here I go.

A expectativa

Tudo começou no meio daquele fevereiro interminável. Quem acompanha os Backstreet Boys no twitter, sabia que eles estavam para anunciar algo grande para nós, brasileiros, mas não poderíamos crer que a turnê por aqui seria tão grande como está sendo. 
Depois de anunciarem um concerto no Chile e outro em Buenos Aires, Argentina, veio a confirmação de cinco - sim, você leu CIN-CO - shows aqui no Brasil (Recife - Belo Horizonte - Rio de Janeiro - São Paulo e Porto Alegre). E é claro que nós, fãs, ficamos extremamente felizes (e que chilenas e argentinas ficaram completamente revoltadas! *Aqui é Brasil, porra!*)!!!


A compra

Para quem não sabe, a compra da passagem de som (soundcheck) é destinada só a quem é membro do fã clube oficial. Há quatro pacotes: platinum (dá direito a assistir à passagem de som, tirar foto individual, subir no palco na hora da parte do acústico do show), gold (assistir à passagem de som e tirar foto individual), silver (assistir à passagem de som e tirar foto em grupo) e bronze (assistir à passagem). 

Quando eles anunciaram a vinda, começou aquela ansiedade. A Alê me presenteou com a inscrição no fã clube (Alê, sua linda! Obrigada de novo!) e todo mundo se programou para comprar. Tanto a venda do soundcheck, quanto a dos ingressos foram no mesmo dia: uma sexta-feira, às 9h da manhã. 

Éramos as 12 meninas do Team Maybe naquela loucura de tentar o pit (ingresso do melhor lugar) e soundcheck. Acordamos cedo e ficamos abismadas porque, às 9h01 o platinum, o gold e o silver estavam esgotados, e eu não havia conseguido. Sobrava comprar o bronze ou não riscar o tão sonhado item da minha lista. 

Comprei um ingresso de pista premium (segundo melhor lugar) e resolvi ver a passagem de som mesmo assim. Adquiri um bronze porque sabia que entraria mais cedo, antes da muvuca. Quem sabe o dia 12 de junho não será o meu primeiro show na grade?!

A reviravolta: os shows extras

Todo mundo ficou surpreso com a velocidade com que os ingressos acabaram. Não dava para compreender. Nós, que sempre ouvimos o tal do "mas eles ainda existem?" se gladiando - literalmente! - por ingressos. Ok, muita gente não viu o Kevin em 2001 (eu viiiii!) e não queria perder a chance, mas mesmo assim, isso nos surpreendeu. 

Pois bem, já estávamos conformadas com os nossos respectivos lugares, quando veio a bomba de que eles fariam mais dois shows extras (um em São Paulo e outro no Rio), já que muita gente implorou nas redes sociais, porque não havia conseguido ingressos. Era a minha chance de tentar ter a minha foto com uzomi novamente.

Imagem de divulgação do documentário Show 'em what you're made of.


Gold e pista comum

Lá fomos nós, na primeira sexta-feira de março, para o "abate" novamente. Agora, a gente já tinha noção do que viria por aí, uma vez que já havíamos passado por isso. Eu resolvi focar no gold, porque sabia que todo mundo se mataria pelo pit. Corri no site e comprei o soundcheck que faria com que eu realizasse aquele sonho que carrego comigo desde o fim de 1996. Finalmente, depois de tanto tempo, a chance de chegar perto deles veio! Consegui.

Já o ingresso, não rolou nada melhor do que uma pista comum (pit e premium esgotados). Comprei mesmo assim, porque sabia que precisava de ter um ingresso para entrar no soundcheck.

Todo mundo espera de uma coisa no sábado à noite

As meninas e eu já havíamos combinado de tentar comprar a pista premium na pré-venda para clientes citibank, quando uma delas - assim, como quem não quer nada - entrou no site da t4f no sábado à noite e... tcharam! Do nada havia ingressos. A quantidade exata para que as 11 de nós pudéssemos ir de pista premium. Fala sério se Deus não é lindo?!

Compramos a premium e eu vendi a minha comum para uma amiga que não havia conseguido. Todo mundo ficou feliz afinal! :D

Imagem do documentário. Um brinde aos mais de 20 anos! ;)

Brasil 8 X 1 Argentina 

O tempo passou e todo mundo já estava se dedicando a controlar a ansiedade, quando os bonitos resolveram anunciar o terceiro show extra (mais um em São Paulo). Isso foi para levar todo mundo ao delírio! Dessa vez esgotou sem eu ter comprado (embora a Bia ainda não tenha desistido de que a gente vá), mas estou feliz mesmo assim. Como vou viajar em julho (assunto para outros posts vindouros), não quis gastar mais dinheiro com eles e me arrependi, mas tudo bem.

After party

(Para quem não sabe, after party é uma balada com eles depois do show. Assim como acontece com o soundcheck, há vários pacotes com vários preços.)

Então, o destino fez mais uma de suas brincadeirinhas com os nossos hermanos argentinos. Eles anunciaram uma after party lá e uma argentina mandou uma mensagem dizendo "chupa brasileiros". Dois dias depois eles anunciaram duas after parties aqui (uma em SP e outra no RJ) e nós sambamos na cara da sociedade. uahsuahsuasuhas Não queria ser a tal argentina que que disse isso. uahahahaha

Backstreet boys gerando momentos de zoeira que never ends pra cima dos hermanos! uahahahah

Acabei não comprando a after party, mas fiquei feliz porque várias amigas vão! Será divertido e tenho certeza de que elas vão amar! ;)


Soundcheck sem grade

Todo mundo estava na expectativa de como seria o show de abertura da turnê no Brasil, que aconteceu ontem, em Recife. Várias amigas minhas - dentre elas parte do Team Maybe, a Cah, a Sue e a Karlinha - estavam lá e só contaram felicidades. 

Para a nossa surpresa - mais uma! - o soundcheck finalmente foi sem a grade que os separaram dos fãs na unbreakable e na this is us tour. Desta vez, teve kiss and hugs. Fiquei radiante por saber que vou poder abraçá-los no meu primeiro soundcheck!!!! Há forma melhor do que esta para realizar um sonho?

Conversei muito rapidinho com a Karlinha hoje. Ela me disse que conseguiu dizer a eles algo que eu sempre quis: que eles são os culpados por termos feito tantos amigos! Espero conseguir agradecer também, embora eu ache que não vá conseguir nem dizer o meu nome. uahahahah

A espera

Esta semana será longa. Se só de ter visto tudo de Recife (o que inclui as fotos oficiais do soundcheck de lá) já fez o coração balançar, imagine que verei a galera indo nos dois shows do Rio e no de BH, antes de ir aos meus. Estou tentando controlar a ansiedade... Mas agora a tarefa está a cada minuto mais difícil. O sonho mais distante da minha vida irá se realizar, e eu ainda não consigo acreditar!

♫ Gonna tell the world, make you understand
As long as there'll be music we'll be coming back again ♪
_____________________________________________________________

sexta-feira, 5 de junho de 2015

[Resenha] Caçadores de Tesouros, de James Patterson e Chris Grabenstein, com Mark Shulman

Imagem por Fernanda Rodrigues
Livro recebido pelo Nosso Clube do Livro como cortesia da Novo Conceito. Ele veio dentro desta caixinha linda! *_*
Escrito por James Patterson e Chris Grabenstein, Caçadores de Tesouros é o livro perfeito para aquela tarde em que procuramos diversão e não temos nada para fazer. A obra, que é voltada para o público infanto-juvenil, é capaz de divertir crianças e adultos e pode ser lida em uma sentada.

A narrativa nos apresenta a história de quatro irmãos que passaram uma vida toda feliz no navio Perdido, até que eles têm a mãe sequestrada e o pai - um importante caçador de tesouros - desaparecido em uma tempestade. Para sobreviverem juntas, as crianças resolvem cumprir a missão de seu pai até o fim, desvendando um mistério, encontrando um tesouro e entregando-o aos donos por direito. Para tal, elas vivem uma verdadeira aventura.

Imagem por Fernanda Rodrigues
A caixa por dentro tem este mapa.
O projeto gráfico do livro impecável. É notável como as ilustrações extrapolam o sentido literal do texto, muitas vezes complementando-o. Observar cada desenho é tão divertido quanto ler a história escrita. Aliás, logo de cara o leitor é avisado que a história é narrada por Bick e que os desenhos são feito por sua irmã gêmea Beck, ambos personagens da história. Esta metalinguagem segue ao longo da narrativa uma vez que os dois fazem pausas nos acontecimentos para destacar o processo de criação do livro.

Foto por Fernanda Rodrigues
Na imagem, uma das ilustrações que instigam a imaginação: o que a Beck gostaria de fazer e o que ela estava de fato fazendo.
A obra também é interessante porque apresenta aos leitores várias referências à obras de artes e fatos históricos. Tudo feito de forma leve, divertida, bem-humorada e instigante (com certeza o leitor mais curioso vai querer pesquisar sobre as citações feitas ao longo da narrativa para - ao menos - conferir a veracidade da existência deles).

Conforme vamos nos aprofundando no desenrolar dos acontecimentos, percebemos que os autores escreveram cada vez mais com a perspectiva e inocência de um narrador de 12 anos. Isso torna a leitura agradável e bela. Ao mesmo tempo, os escritores instigam a nossa curiosidade de leitor para saber aonde tudo isso vai dar afinal?

Dividido em três partes, Caçadores de Tesouros é um livro que fala sobre família, amizade, união, persistência e esperança e que nos deixa um gostinho de "quero mais".


Livro: Caçadores de Tesouros
Título original: Treasure hunters
Autores: James Patterson e Chris Grabenstein, com Mark Shulman
Tradução: Luciana Garcia
Ilustração: Juliana Neufeld
Editora: #irado (Novo Conceito)
Sinopse:  CAÇAR TESOUROS? ENFRENTAR PIRATAS? MOLEZA! ESSA TURMA É RADICAL!
Os pais de Bick Kidd são caçadores de tesouros mundialmente famosos, que desapareceram misteriosamente.
Agora, Bick e os seus irmãos Beck,Tommy e Tempestade precisam cumprir a última grande missão de seu pai e sua mãe. Mas a vida dos garotos corre perigo agora que eles estão sozinhos no meio do oceano.
Junte-se a esta aventura, na mais perigosa e divertida caçada da sua vida!

Clique para ler trecho. | Livro no Skoob.

_____________________________________________________________

segunda-feira, 1 de junho de 2015

O ponto final


Amor, lhe ouvi naquela sala escura em um dia qualquer. Sentávamos frente a frente e olhávamos nos olhos. O sol lutava para transpor as pesadas cortinas, enquanto eu lutava comigo mesma para não chorar. Você, mais do que ninguém, sabe que amo prosas repletas de pontos de exclamação e não palavreados que se findam em pontos finais.

Eu sei, Amor, que tudo o que você queria era acabar com toda a interrogação que há em minha mente. Seu desejo – talvez maior que o meu – era de dar-me a outra parte da verdade que me falta: a sua. E lá estava eu, ouvindo a sua versão.

Não é fácil, Amor, ouvir sem julgar. Eu fui abandonada, eu fiquei de coração partido, eu lhe vi com outra. A sua vida seguiu, enquanto eu fiquei presa à areia movediça do fim do relacionamento: quanto mais queria sair, mais me afogava nas lembranças do seu sorriso, mais me afundava no desespero, em meio a todos os planos desfeitos. Ainda assim, fui firme e tentei não assumir o papel de juíza. Brigar no nosso último momento seria mais doloroso ainda...

Amor, posso dizer que você partiu o meu coração mais uma vez. Relembrar é realmente reviver, e eu senti toda a pontada dentro do meu peito novamente. Talvez aquela única lágrima que não se conteve, aquela que você quis secar com o seu polegar, seja a prova do sentimento que até hoje me sufoca. Ela era a primeira de muitas que viriam depois que você fosse embora. Chorar é o lavar da alma, não é mesmo?

Você disse a sua verdade. Eu a ouvi em silêncio. Nós dois temos a plena consciência de que não há nada que possa ser mudado a esta altura do campeonato. Contudo, esta conversa foi necessária para que o tal ponto final me desse a liberdade que preciso para viver, a luz no fim do meu túnel. Ainda que a tal liberdade tenha sido apenas um sonho.
_____________________________________________________________
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...