domingo, 1 de maio de 2016

{#aophotoaweek} Vamos fotografar?

Hey, there!

Mais um mês chegou, para sambar na nossa cara e dizer que 2016 está voando. Parece que foi ontem que eu entrava na contagem regressiva para a realização de um dos grandes sonhos da minha vida e olha eu aqui, um ano depois sem muitas expectativas de futuro, mas com muita vontade de continuar fotografando! 

Sem mais delongas, maio chegou trazendo o friozinho (diz a previsão que teremos 8ºC hoje!) e cinco temas muito amores! ♥

Bora fotografar?

Tudo pronto? Agora que você já sabe quais são os temas da semana, pegue a sua câmera - ou seu celular! - e mãos à massa! :D Para que a sua foto seja vista por todos, não se esqueça de compartilhar no facebook, twitter e instagram com a tag #aophotoaweek! Estou doida para ver o seu click!

Beijos e queijos,

_____________________________________________________________

quarta-feira, 27 de abril de 2016

{Vamos falar sobre escrita?} Entrevista com a escritora Soraya Abuchaim

Olá, pessoa!
Depois da entrevista linda que fiz com a Ayumi Teruya, chegou a vez de compartilhar a minha conversa com a escritora e blogueira Soraya Abuchaim. Em nosso bate-papo, ela falou um pouco do seu blog, Meu Meio Devaneio, do seus livros disponíveis na Amazon e da novidade que chegará ao público na Bienal do Livro de São Paulo. Confira! 

Soraya Abuchaim, escritora no Meu Meio Devaneio
e autora de Até eu te possuir.

Algumas Observações: Quando você sentiu vontade de começar a escrever e em qual momento você passou a ver a sua escrita como arte?
Soraya Abuchaim: Comecei a escrever há alguns anos, quando percebi que poderia expressar em palavras tudo o que estava na minha cabeça. Sempre li muito, mas achava-me incapaz de colocar no papel as minhas ideias. No começo, eram escritos muito confusos e modestos, de caráter absolutamente pessoal, como pensamentos e sentimentos (bons e ruins); com o tempo, percebi que poderia criar personagens, que poderiam tanto ter características minhas quanto ser completamente fictícios, e, então, a minha escrita tomou um outro rumo, muito mais artístico.

AO: O que te fez querer ter um blog?
SA: O que me levou a começar um blog foi a necessidade de escrever (mostrando para as pessoas o que eu produzia) e, em especial, a vontade de compartilhar ideias sobre minhas leituras. Não tenho muitas pessoas para conversar sobre livros (confesso que a quantidade aumentou depois do blog), e saber que eu teria um espaço para dar minha opinião sobre o que lia me incentivou nesse processo.

AO: Por que publicar só no blog não te satisfez como artista?
SA: Quando descobri que eu conseguia escrever histórias mais longas (não apenas contos, mas esse foi um processo que levou tempo), percebi que apenas o espaço do blog não seria suficiente para o que eu tinha em mente — eu queria mais, um público maior, deixar de ser apenas blogueira para me relacionar nesse meio de outra forma: com meu trabalho, fazendo parcerias, etc.

AO: Em qual momento você decidiu escrever um livro? Como foi este processo de escrita?
SA: Eu estava me aprimorando cada vez mais em contos, mas achava a escrita de um livro um bicho de sete cabeças. Não conseguia concatenar ideias, não tinha a mínima noção de como esquematizar uma história longa. Admirava os escritores que começaram a fazer parte de minha rede de contatos, mas não sabia por onde começar o meu próprio trabalho.
Até que comecei a escrever um livro em parceria com uma já estabelecida escritora. E aprendendo e vivenciando o processo dela, descobri que não era assim tão difícil, eu só tinha que começar.
Então, tive uma ideia inicial e simplesmente comecei a escrever, desenvolvendo passo a passo cada cena, meticulosamente.
Ao mesmo tempo, fiz um curso de escrita criativa e me aprofundei nos conhecimentos de Stephen King (mas essa é uma outra história); pronto! Meu enredo estava formado e eu comecei a desenvolver minha própria técnica, até culminar na missão cumprida.

AO: O que te fez querer publicar seus contos na Amazon? Por que escolheu publicar na e não em outra plataforma? O que você viu de bacana lá?
SA: A Amazon, hoje, é uma das melhores ferramentas para o escritor divulgar seu trabalho, em especial aqueles que estão começando. Como é gratuita, ela oferece muitos recursos para a publicação de um livro de forma fácil. Além disso, há um ranking de leituras por categoria, seu livro pode ser indicado em mailings da Amazon, etc.
Claro que simplesmente publicar ali e esperar que o milagre de ter milhares de leitura aconteça é utopia, mas fazendo um bom trabalho de divulgação, é possível atingir muitos leitores.
Acredito, também, que a Amazon acabou se tornando uma vitrine para muitas editoras. Há exemplos de autores que hoje fazem sucesso e que começaram de forma independente.

Os três livros da Soraya que estão disponíveis na Amazon: O vizinho suspeito, O forasteiro e Cotidiano.

AO: Como foi escolher entre e-book e livro físico? Você pretende trabalhar com os dois formatos?
SA: Pretendo trabalhar com os dois formatos, pois acho que há espaço para ambos. Começar com a Amazon facilita a vida, porque você se lança como escritor e começa a fazer seu nome. Ainda demorará muito tempo para os e-books tomarem o lugar dos livros físicos, por isso, o ideal é que o escritor abocanhe esses dois nichos. Há até casos de leitores que leem em e-book mas compram o livro físico para ter na coleção.

AO: Você procurou alguma editora renomada/tradicional antes de publicar de forma independente? Como foi essa escolha?
SA: Optei por não mandar meu trabalho para nenhuma editora renomada. Hoje, existe uma quantidade enorme de novos escritores, e conseguir um contrato com uma editora grande sendo completamente anônimo é muito difícil e pode demorar meses. Então, não foi uma escolha difícil. Eu tracei meu caminho: farei meu nome de forma independente e, posteriormente, se conseguir que meu trabalho ganhe espaço, posso mostrá-lo a alguma editora que se interesse.

AO: Em agosto você lançará um livro de forma tradicional, via editora. Você acredita que lançar de forma independente te ajudou a conquistar uma editora tradicional?
SA: Com certeza. Só tive a oportunidade de lançar esse livro de forma tradicional porque a editora tomou conhecimento do meu trabalho. Não é uma editora grande, mas ela está fazendo um trabalho muito lindo junto a novos escritores brasileiros.

Capa da obra cujo o lançamento será na Bienal do Livro de São Paulo.

AO: Como você vê o cenário para os novos escritores no Brasil?
SA: O Brasil ainda tem muito que caminhar para ser uma pátria que se interessa por cultura, infelizmente. Entretanto, vemos que o gosto pela literatura nacional vem crescendo, e muitos bons autores têm surgido com o passar dos anos. Acho que o cenário, apesar da concorrência, que torna-se mais acirrada com a grande oferta, só tende a melhorar. Espero que as novas gerações tomem mais gosto pela leitura, e também acredito que há espaço para todos, desde que se saiba para quem se escreve, ou seja, deve-se encontrar o seu nicho, o seu público.

AO: Quais foram os maiores desafios que você teve tanto em publicar os contos, quanto na publicação do livro?
SA: O maior desafio de um autor quando publica alguma obra é se fazer conhecido. É um trabalho de formiguinha, dia a dia. Há profissionais que auxiliam nesse processo, mas a fama não vem da noite para o dia, é preciso tempo e dedicação para atingir o público certo.
Outro desafio é lidar com as críticas, que podem tanto ser construtivas quanto colocar o escritora para baixo. É preciso muito discernimento e equilíbrio para se manter firme.

AO: Quais são os conselhos que você daria a um escritor que nunca publicou, mas que deseja fazer isso?
SA: Publique! Não tenha medo. Vivemos em uma era onde não dependemos mais de uma editora gostar do que escrevemos, e essa liberdade é maravilhosa. A Amazon e o próprio Wattpad estão aí para mostrar que há muitas maneiras de fazer o mundo saber que, dentro de você, existe um grande talento.
Desafie-se, mostre seu trabalho, dê a cara a tapa!

AO: Quais são os seus projetos para o futuro?
SA: Pretendo escrever mais livros, mesmo que o resultado nunca chegue a ser o que almejo. Escrevo por amor à escrita, e espero conquistar mais pessoas a cada dia, mas se eu puder fazer a diferença na vida de um leitor, já estarei feliz. Estou no meu segundo projeto, e as ideias só afloram mais e mais; é uma sensação maravilhosa, porque só fica mais fácil.

Gostou da nossa conversa?
Então acompanhe o trabalho da Soraya Abuchaim mais de perto:
Blog: Meu Meio Devaneio | Facebook | Twitter | Instagram | Google + | Amazon | Wattpad


_____________________________________________________________

sábado, 23 de abril de 2016

As mentiras que nos contam

Imagem por Alexas_Fotos, sob licença creative commons.

O amor é para sempre.
Para sempre nunca acaba!
O que acaba é a finura
Que, ao comer demais, vira gordura.

Gordura é sempre mal vista
Quando vista principalmente nas moças.
Estas, devem ser femininas...
Femininas sempre, nunca feministas!

Bela, recatada, modesta e do lar,
Mulheres estão proibidas de palavrão falar!

As mentiras que nos contam
Estão tão enraizadas
que a luta que travamos
parece dar em nada.

Parece, apenas!
Porque a batalha é grande
E a alma humana não é pequena!

Este texto faz parte do Projeto Escrita Criativa, que reúne escritores e blogueiros para colocarem no “papel” suas ideias. Quem quiser conhecer mais, acesse a página ou o grupo do projeto. Lá há a lista de todos os blogs participantes. O tema da blogagem coletiva de abril é "As mentiras que nos contam".
_____________________________________________________________

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Novidade: tem livro novo no wattpad!

Oi, pessoal!

Como o próprio nome do post diz, estou com um livro novo no Wattpad! :) Depois do retorno querido que vocês me deram com o Poemas para o amor que já se foi, resolvi continuar a publicar por lá. Desta vez, me aventuro compartilhando o primeiro romance que escrevi: História de um casal. Abaixo, vocês conferem as informações do livro e, claro, o link para a leitura.



Livro: História de um casal
Autora: Fernanda Rodrigues
Gênero: Romance
Sinopse: O que acontece quando tudo acaba? Lidar com a dor do término é uma tarefa árdua. Em "História de um casal", as dúvidas, os medos e, sobretudo, os porquês que permeiam o fim de um relacionamento são retratados de maneira intensa até que a vida ganhe uma nova história.
Leia o livro gratuitamente no wattpad.



Sua leitura, seus votos e, claro, os seus comentários, são muito importante para mim! :D
Passem por lá! ♥

Beijos, queijos e muito amor para vocês! :*
_____________________________________________________________

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Futuro

Imagem por tpsdave, sob licença creative commons.

Na cidade, é um náufrago: perambula pelas ruas. Sente enjoo da pobreza, da indiferença. Ver aquelas crianças pedintes, os idosos a andar com um gigantesco saco de latinhas nas costas, os adultos puxando carroça. Cães e decadência ao redor. Todos invisíveis. Poeira ao relento. Como tantos seres humanos podem ter na desumanização a sua identidade? Muita gente. Muito barulho. Trânsito. Protestos (a favor de quem?). Caos.

Ir e vir sem destino é mais difícil na metrópole em que tudo custa e as distâncias não são vencidas à pé. Uma légua: 3 reais e 80 centavos. Uma longa distância: muito mais. Gasolina é cara, voos também o são. E já diria Cazuza: o tempo não para.

Os caminhos em meio a tantos prédios são claustrofóbicos. Nunca soube lidar bem com este amontoado de gentes, andar após andar, piso sobre piso. A falta de horizonte o deprime. Como é difícil ter que se acostumar com procurar a vista para ver o horizonte sem fim. O azul-esverdeado lhe faz falta, uma falta tão agigantada quanto a cor das correntes e o balanço da maré.

Agora, depois de tantos anos, resolveu fazer o que seu chamado sempre exigiu. Pela última vez, desceria a serra. Sua grande morada era no embalo das ondas. Entrou em seu grande e solitário barco e respirou fundo, para nunca mais voltar.

_____________________________________________________________
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...