quarta-feira, 30 de novembro de 2022

{Resenha} Curso Básico de Astrologia — volume II, de Marion D. March e Joan McEvers

quarta-feira, novembro 30, 2022 0


Excelente para os estudiosos, o segundo volume da série Curso Básico de Astrologia mantém a preocupação das autoras Marion D. March e Joan McEvers de escrever um livro que, mais do que para consulta, é mesmo um guia aprofundado de estudos. Assim como o primeiro volume, este livro apresenta aos leitores explicações detalhadas com direito a passo a passo, exemplos, exercícios, gabaritos e sugestões de consultas. 

Os dois volumes da série Curso Básico de Astrologia, de Marion D. March e Joan McEvers.


O volume II do Curso Básico e Astrologia contém uma breve introdução e se estrutura em três partes. Cada uma delas é subdividida em por módulos (capítulos) que aprofundam os conhecimentos estabelecendo relações entre os posicionamentos dos planetas e das casas de forma mais completa. Neste livro são discutidos conceitos de interpretação que partem de uma base (apresentada no volume I), a exemplo de ausência de determinados aspectos específicos, marca final e submarca, nascimento sob planetas retrógrados, casa e signos interceptados, regente do mapa, decanatos e tantos outros mais.

Parte dos instrumentos de estudo astrológico: livro, papel, caneta e calculadora.


A primeira parte do livro pode parecer um pouco mais complexa para quem não gosta muito de matemática ou de geografia, uma vez que envolve como localizar como precisão o local de nascimento no mapa geográfico (com conceitos de latitude e longitude) e pontos importantes relacionados ao horário de nascimento (em relação ao horário de verão e aos cálculos que envolvem o Meridiano de Greenwich). Apesar de a tecnologia fazer esses cálculos automaticamente, as autoras são enfáticas ao pedir para os leitores não pularem essa parte. Elas dizem que é importante aprender a fazer esses cálculos para conferir se não há nenhum erro no que foi feito pela tecnologia. Por entender que pode ser muita informação, as autoras escrevem o texto dividindo-o em etapas, detalhando cada passo, reiterando pontos importantes, reapresentando alguns conceitos. Isso ajuda os leitores a não se perder.


Páginas 146 e 147 do segundo volume do livro Curso Básico de Astrologia.


As outras duas partes soam mais fáceis (ainda que haja cálculo na terceira), uma vez que as autoras trazem muitos conceitos para a interpretação. Ao final, no apêndice, depois das respostas dos exercícios há tabelas que apoiam o desenvolvimento nos cálculos. Também há um índice com todos os mapas citados no livro (são mais de 50). 

Como dito anteriormente (e como já aponta o nome do livro), a obra não foi feita para ser lida numa sentada, mas sim para ser estudada. Assim, é possível compreender o que é lido, mas também colocar todos os conhecimentos em prática.



Capa.



Leia também: {Resenha} Curso Básico de Astrologia - volume 1.

Livro: Curso Básico de Astrologia: Volume II: técnicas de interpretação
Título original: The only way to learn Astrology: vol 1: math & interpretation techniques
Autoras: Marion D. March e Joan McEvers
Tradução: Carmen Youssef
Páginas: 416
Editora: Pensamento
Apresentação: Curso Básico de Astrologia apresenta uma forma prática, rápida e detalhista de aprender astrologia com lições claras e eficientes. Neste segundo volume, as autoras compartilham os fundamentos para a montagem de um mapa astrológico e sua interpretação, dando destaque às lições sobre os cálculos, além de fórmulas, efemérides e conhecimentos mais sofisticados sobre planetas retrógrados, nodos lunares e padrões nos mapas astrais. A obra ainda ajuda a entender a lógica de construção de um mapa e traz exemplos de mapas natais de personalidades do mundo das letras, das artes, dos esportes e da política de diversos países, que ajudam no aprofundamento do estudo sobre o tema.
Livro no Skoob. | Livro no GoodReads. | Você pode ler a resenha do primeiro volume clicando aqui. O lançamento da nova edição do volume 3 está previsto para fevereiro de 2023.

_____________________________________________________________
Gostou deste post?
Então considere se inscrever na Newsletter para receber boletins mensais 
ou me acompanhar nas redes sociais: 

sexta-feira, 25 de novembro de 2022

Como foi o lançamento do Rasgos Dentro da Minha Própria Pele

sexta-feira, novembro 25, 2022 1


Oi, pessoal! :)
Passadas quase duas semanas do lançamento do meu segundo livro, Rasgos Dentro da Minha Própria Pele, vim aqui contar como foi tudo. O amor é algo em comum, se compararmos com o lançamento do primeiro, A Intermitência das Coisas; mas também houve coisas diferentes. 

Alguns dos abraços recebidos 💜


Ao contrário do primeiro lançamento, em que eu estava fechando todos os detalhes até os 45 do segundo tempo, nesse eu resolvi que faria tudo com calma. Meus planos era o de confeccionar uma lembrancinha, mas vi que isso estava me estressando, porque não daria tempo. Teria que fazer por volta de 100, e o processo era muito lento. Na terça anterior ao evento, resolvi desistir disso. Quem sabe faço no próximo?

Pessoas queridas 💜


Simplificar foi a chave. Eu queria que este lançamento fosse mais tranquilo. Não queria me estressar no dia, então, tirei a quarta-feira para preparar tudo o que levaria ao Canto Madalena: livros, marcadores, sacolas decoradas, maquininha de cartão, caneta, instax etc. Ter tudo arrumadinho no meio da semana me trouxe paz e diminuiu toda aquela ansiedade do "será que vão gostar do livro?" que eu estava sentindo antes. Outra coisa muito bacana nesse sentido é que vários amigos me mandaram mensagem para dizer que estavam ansiosos para me ver no sábado. Isso foi muito precioso para mim. (Sério, mandem mensagens apoio para quem for fazer um evento importante. Isso ajuda muito!)

Alegria, alegria! Conversas, abraços e muito amor 💜


Cheguei ao Canto um pouco antes da hora marcada e há havia 4 pessoas me esperando. Fiquei um tiquinho desesperada e um tanto feliz com isso. Quase a própria Beyonce da literatura! uahahah

Me senti a própria rainha da literatura. hehehe 💜


Tinha programado um lançamento de 2 horas (que é a duração média de um evento desses), mas acabei ficando por lá o dobro disso. Tudo foi tão intenso que eu não consegui filmar ou fazer stories. Aproveitei cada segundo. Só não fiquei mais ainda porque alguns amigos não foram ao evento porque pegaram covid.

Mais fotos lá no Instagram. 😉


O evento presencial foi um sucesso. Vendi todos os livros que levei (os poucos que sobraram, vendi no domingo e na segunda). Já pedi e recebi uma segunda leva da editora.


Compre o seu exemplar autografado do Rasgos Dentro da Minha Própria Pele na loja do blog

O lançamento ainda não acabou!

Como tenho muitos leitores que estão longe e que não puderam vir ao evento presencial, no dia 06 de dezembro, às 19h30, farei um lançamento virtual. A live será mediada pela escritora Livia Brazil, no meu canal do YouTube. Eu estou super empolgada! Se você já estiver lendo ou se quiser saber mais sobre o livro, apareça para conversar conosco. Será possível fazer a sua pergunta via chat. 



Eu espero que, assim como todo mundo que já comprou, vocês possam ler o Rasgos Dentro da Minha Própria Pele. Ele foi escrito e publicado com muito amor. 💜

Sobre o livro


Capa do livro Rasgos dentro da minha própria pele, de Fernanda Rodrigues
Capa.


Livro: Rasgos dentro da minha própria pele 
Autora: Fernanda Rodrigues 
Edição: França & Gorj 
Editoração eletrônica e capa: Karina Tenório 
Revisão: Aline Caixeta 
Revisão dos poemas em espanhol: Ayumi Teruya 
Foto da autora: Patricia Rodrigues 
Publicação: Editora Penalux
Páginas: 158
Apresentação: Rasgos dentro da minha própria pele, da autora Fernanda Rodrigues, é uma coletânea de poesias que abrange temas dos mais diversos e abre, no peito do leitor, um local de autoaceitação e autoconhecimento. Os escritos de Fernanda são sensíveis, íntimos, cortantes e — como o próprio título diz — rasgam a carne, abrindo espaço no íntimo para as poesias se alojarem e gerarem mudanças.

Adicione na sua estante:

_____________________________________________________________
Gostou deste post?
Então considere se inscrever na Newsletter para receber boletins mensais 
ou me acompanhar nas redes sociais: 

segunda-feira, 7 de novembro de 2022

Tudo sobre o meu mais novo livro: Rasgos dentro da minha própria pele

segunda-feira, novembro 07, 2022 13


Oi, pessoal!
Estou muito feliz em contar para vocês que finalmente o meu segundo livro está chegando para todo mundo. YAAAAAAAAAAAAAY! 
Quem acompanha as minhas redes sociais e/ou assina a minha newsletter já está por dentro da novidade. A obra se chama Rasgos Dentro da Minha Própria Pele e é publicada pela Editora Penalux. 

Você já está superconvidado!


Assim como o meu primeiro, o Rasgos Dentro da Minha Própria Pele é um livro de poesia. Desta vez, os poemas apresentam um flerte com a cíclica epopeia da autodescoberta de seu eu lírico. Confrontando todas as dores da vida social e amorosa, essa voz mergulha no si mesma em busca de respostas ou daquilo que considera um modo de seguir em frente. Por meio de cada verso, esse eu lírico provoca o leitor a pensar na própria jornada e nos possíveis rasgos que há em suas peles.


Os poemas foram escritos, editados e revisados entre fevereiro de 2020 e julho de 2022. O trabalho contou com uma equipe maravilhosa, tendo, entre outros nomes, a revisão da Aline Caixeta, o texto da orelha assinado pelas escritoras Ane Venâncio e Ayumi Teruya e a quarta capa pela escritora e poeta Elizza Barreto.

Eu e meu livro juntos, pela primeira vez *_*


Lá no meu canal do YouTube, há uma playlist em que mostro algumas etapas desse trabalho, como a edição, a revelação de capa, conhecer um dos poemas e, claro, o unboxing do livro. Para ver, vocês podem clicar aqui ou apertar o play abaixo: 

Aproveitem para deixar o seu like e se inscrever no canal. ;)


O livro está em pré-venda na loja do meu blog, mas se você for ou estiver em São Paulo, eu adoraria te encontrar. Bora ir me ver no lançamento?  

Lançamento:

Data: Sábado, 12 de novembro de 2022
Horário: das 16h30 às 19h.
Local: Canto Madalena (@cantomadalena)
Rua Medeiros de Albuquerque, 471
Vila Madalena, São Paulo - SP, 
CEP: 05415-300 (Próximo ao Beco do Batman)

Abaixo segue o mapa para a localização:


Salve o Wallpaper para o seu computador. :)

Adicione o livro nas suas estantes virtuais: Skoob | Goodreads.

Quer saber mais sobre o livro? Seguem as informações técnicas:

Livro: Rasgos dentro da minha própria pele
Autora: Fernanda Rodrigues
Edição: França & Gorj
Editoração eletrônica e capa: Karina Tenório
Revisão: Aline Caixeta
Revisão dos poemas em espanhol: Ayumi Teruya
Foto da autora: Patricia Rodrigues
Publicação: Editora Penalux
ISBN-13: 9786558623779
ISBN-10: 6558623773
Páginas: 158
Sinopse: Rasgos dentro da minha própria pele, da autora Fernanda Rodrigues, é uma coletânea de poesias que abrange temas dos mais diversos e abre, no peito do leitor, um local de autoaceitação e autoconhecimento. Os escritos de Fernanda são sensíveis, íntimos, cortantes e — como o próprio título diz — rasgam a carne, abrindo espaço no íntimo para as poesias se alojarem e gerarem mudanças.

TE ESPERO NO LANÇAMENTO
_____________________________________________________________
Gostou deste post?
Então considere se inscrever na Newsletter para receber boletins mensais 
ou me acompanhar nas redes sociais: 

domingo, 30 de outubro de 2022

Domingo qualquer

domingo, outubro 30, 2022 6
Domingo de escrita.


Refaço os planos como quem sai sem destino: evito filas, subo escadas, tomo chuva, vejo fotografias de um passado que revelam o futuro. Desejo com força e vontade. Tenho medo. Me escondo. Me abro ao vazio.

Recebo um elogio inesperado de uma desconhecida. Ofereço lugar a uma pessoa que nunca vira antes. Dialogo com Ana Cristina, enquanto bebo o meu café — dei folga à Clarice, provavelmente ela não gostaria dia de prosa em chuva e de céu cinzento. 

Meu volume de Ulisses está guardado há mais de 10 anos a minha espera. Escrevo textos enquanto espero. Espero o quê? Algo que nem eu mesma sei. 

A tarde se arrasta devagar. A noite chega devagar. A chuva segue impiedosa. E ainda que não beba conhaque, ainda que a tempestade me impeça de ver a Lua, a vida besta que levo me comove. 

_____________________________________________________________
Gostou deste post?
Então considere se inscrever na Newsletter para receber boletins mensais 
ou me acompanhar nas redes sociais: 

quinta-feira, 27 de outubro de 2022

{Vamos falar sobre escrita?} Preptober e a maratona do NaNoWriMo

quinta-feira, outubro 27, 2022 5


Novembro é mês de NaNoWriMo!!! YAY! Por isso, vou compartilhar os meus processos de escrita em lives no meu canal, no canal do Projeto Escrita Criativa e no Pandinando. Esses eventos serão em parceria com as escritoras Ane Venâncio e com a Ayumi Teruya.

O que é o NaNoWriMo?

O NaNoWriMo é uma iniciativa coletiva, um desafio para todos que um dia sonharam em escrever literariamente. Tudo começou em 1999, com um grupo formado por 21 americanos de São Francisco. De lá para cá, o desafio cresceu e, atualmente, estimula seus escritores de redigir um romance de 50.000 palavras durante o mês de novembro. A proposta é valorizar o entusiasmo, a determinação e prazo para que qualquer pessoa escreva o seu próprio livro.

Saiba mais: clique aqui para ver o passo a passo de como se inscrever no NaNoWriMo.


Qual é a minha experiência no NaNoWriMo?


Participei do NaNoWriMo nas edições de 2013, 2014, 2015, 2017 e 2018, mas nunca entrei nesse processo preparada. Primeiro porque eu não sou uma escritora que gosta de planejar textos, segundo porque eu descobri o conceito de Preptober (o uso do mês de outubro para se preparar e planejar os dias de NaNo) há uns dois anos. 

Apesar de eu nunca ter escrito 50 mil palavras, participar do NaNo foi algo que me fortaleceu como escritora. Um dos textos que está no meu Wattpad, o Pequenas Obsessões de um Amor Inacabado, foi escrito durante um NaNoWriMo. 

Agora, entro um pouco mais planejada, mas sem pressão, porque entendo que o fato de participar já é válido.

Aquele Planner de Escrita



Para facilitar o processo de planejamento (meu e de todo mundo), a equipe do Projeto Escrita Criativa elaborou o Aquele Planner de Escrita, que está disponível na loja do meu blog. Você pode ver mais sobre ele aqui.

Vamos ser amigos por lá?

É possível adicionar os amigos escritores no site do NaNoWriMo. Vou deixar abaixo 3 links: o do meu perfil, o da Ane Venâncio e o da Ayumi Teruya. Adicione a gente por lá. 

Vem escrever com a gente!

Abaixo estão as lives já agendadas. Ative o sininho:


27 de outubro, às 19h30, no meu canal:



01 de novembro, às 19h30, no Projeto Escrita Criativa: 



03 de novembro, 19h30, no Pandinando:


Pegue o seu material de escrita e vem! 

_____________________________________________________________
Gostou deste post?
Então considere se inscrever na Newsletter para receber boletins mensais 
ou me acompanhar nas redes sociais: 

sábado, 22 de outubro de 2022

{Resenha} Mandalas: 32 Caminhos de Sabedoria, de Celina Fioravanti

sábado, outubro 22, 2022 2


Escrito pela brasileira Celina Fioravanti, a obra Mandalas: 32 Caminhos de Sabedoria vai direto ao ponto. A obra reúne, como o próprio nome diz, 32 mandalas ilustradas pelo artista plástico Vagner Vargas. As ilustrações coloridas estão disponíveis em formato de cartas que podem ser usadas individualmente e são acompanhadas por um livro explicativo.

Caixa rígida, livro e as 32 cartas que o acompanham.


Antes da explicação de cada carta, o livro conta com 3 breves partes: uma introdução, um texto sobre os 32 caminhos da Sabedoria, e um terceiro com instruções de como utilizar as cartas. A explanação sobre cada mandala traz um texto descritivo do caminho que aquela ilustração representa, as orientações oraculares e uma pequena meditação. 

Caixa rígida, livreto e as cartas agrupadas em pequenos montes.
Suas cores me fizeram pensar nos 7 chakras.


Segundo a autora o trabalho com mandalas possibilita que as pessoas descubram seu potencial energético e representa uma forma de descoberta dos mundos exterior e interior. Elas podem ser usadas para melhorar a energia do ambiente, como recurso de autorreflexão e como oráculo. 

Livro aberto. Páginas 40 e 41, sobre a mandala 14.


No caso das mandalas pensadas para este livro, elas representam os 32 estados de consciência que contribuem para cumprir uma etapa evolutiva. Sendo assim, a Fioravantti sugere deixar a mandala no campo de visão para acessar o campo de vibração que ela produz. Conforme ela orienta:

"Há duas maneiras de selecionar uma carta de Mandala: deixar ao acaso ou seguir uma ordem seletiva." (página 9)

A autora ainda completa dizendo que, além de se conectar com a força da mandala, o leitor pode selecioná-la à revelia e tê-la como um oráculo, ou seja, como um potencial informativo.

Capa.


Livro: Mandalas: 32 Caminhos de Sabedoria
Autor: Celina Fioravanti
Ilustração: Vagner Vargas
Páginas: 80
Editora: Pensamento
Encadernação: caixa rígida
Sinopse: Com as belas e significativas mandalas criadas pelo artista plástico Vagner Vargas, Celina Fioravanti apresenta uma obra inovadora sobre o tema, que une a energia dos desenhos sagrados a um texto simples à primeira abordagem, mas com um profundo conteúdo místico.

_____________________________________________________________
Gostou deste post?
Então considere se inscrever na Newsletter para receber boletins mensais 
ou me acompanhar nas redes sociais: 

domingo, 16 de outubro de 2022

Sobre cactos, vampiros e unicórnios

domingo, outubro 16, 2022 10
Foto por Roberto Carlos Román Don, via Unsplash.

Quando comecei a dar aulas para crianças, minhas amigas professoras me precaveram: “dá trabalho, mas você irá se divertir, porque elas são cheias das pérolas”. Mal sabia eu o que viria pela frente...

Primeiro, surgem as curiosidades de praxe. Estes pequenos desbravadores do mundo começam pegando leve, numa tentativa de sondar o terreno e saber com quem estão lidando, depois fazem o teste de até onde podem ir. Como já aconteceu anteriormente com outros alunos, uma menina me perguntou se tenho filhos e, ao ouvir um “não” como resposta, disse com um ar de perita no assunto: “ah! Mas é fácil! É só engravidar ou adotar!”.

Conforme o tempo vai passando, a gente percebe que as crianças têm o seu próprio modo de demonstrar que se importam. E é isso que faz do convívio com elas uma relação sincera. Ano passado, no dia dos professores, ao entrar na sala do primeiro ano, um menino pegou um pequeno cacto em uma caixa cheia de suculentas e me deu de presente. Agradeci feliz, comecei a nossa rotina, até que percebi que um amigo discutia seriamente com ele:

— Vai lá e troca! A teacher não merece um cacto, a teacher merece uma planta!

Meu riso encheu a sala até que percebi que conversa entre o decidido e o inconformado estava indo longe. Então, interrompi para explicar que cactos são bem-vindos e que sim, gosto deles. Aproveitei para perguntar:

— Leo, você não quer dar um nome a ele?

— Ué, teacher, cactos são cactos, então o nome dele é Cacto, oras!

Foto por Nathalia Segato, via Unsplash.


Como iria discutir depois de uma dessa? Apenas aceitei a sabedoria infantil. Aliás, ser teacher não é só aceitar a sabedoria sobre como ter filhos ou nomear plantas, mas também a imaginação — que costuma ser fértil, muito, muito fértil. Esta semana, entre o “good afternoon” e correção da última lição de casa, ouvi um “teacher!”, exclamativo e urgente, de quem tinha algo importante para contar. Me aproximei atenta:

— Sou um vampiro! — Pedro sussurrou o seu segredo, com os olhos brilhando.

A vampire? Why? — perguntei tentando incentivá-lo a falar o tal do inglês.

Yes, teacher — ele respondeu solene — a vampire!

Minha expressão continuou na expectativa de compreender o que se passava. De súbito, Pedro ergueu o dedo indicador e, perito no assunto, abriu um sorriso que, por sua vez, me faz gargalhar. Ali estava ele, em sua troca de dentes de leite, com um espaço vazio de canino a canino. Ao me ver rindo, ainda disparou, tentando parecer malvado:

— Look! Eu bebo saaaaaangue!

Oh my God, Pedro! — Foi a única coisa que consegui dizer entre um ruidoso riso e outro... — Oh my God!

Brincadeiras à parte, voltamos para a tarefa da aula: desenhar os animais e escrever sobre suas características. Para ficar mais fácil (e eu não ter que lidar com a possibilidade de ter dinossauros, Pokemóns, X-Man e outros seres mágicos na lição), delimitamos como possibilidades os bichos de estimação, do zoológico e da fazenda, até que...

— Teacher, o Luciano está desenhando um unicórnio — denunciou o João.

— Unicórnios não existem! — Rebateu o Pedro, antes que eu dissesse algo.

Teacher, unicórnios existem, não existem? Diz que existem!

— Não existem, não! — João insistiu, querendo ver o circo pegar fogo.

Respirei fundo, enquanto pensava no que fazer, afinal, desiludir crianças nunca foi o meu forte. Tentei retomar o foco da atividade e o nosso combinado que me salvaria de ter unicórnios na tarefa.

— Lu, they are not pets, farm animals or from the zoo.

— Mas eles existem? — a esta altura, a insistência vinha acompanhada de lágrimas nos olhos. Acabei improvisando e dizendo que tudo o que a gente acredita existe. Unicórnios existiriam se ele acreditasse. Só assim, ele abaixou a cabeça e voltou à lição. Já eu, bem, eu respirei aliviada. Que poder eu tenho para acabar com esses seres fofos que espalham a pureza? A última coisa que quero é ter uma vida amaldiçoada. 

Trabalhei por dez anos como professora de crianças. Entre cactos, vampiros e unicórnios, fui feliz.

_____________________________________________________________
Gostou deste post?
Então considere se inscrever na Newsletter para receber boletins mensais 
ou me acompanhar nas redes sociais: 

quinta-feira, 29 de setembro de 2022

{Resenha} O Divino Feminino no Tao Te Ching, de Rosemarie Anderson

quinta-feira, setembro 29, 2022 8


Em O Divino Feminino no Tao te Ching, professora emérita de Psicologia Transpessoal na Universidade de Sofia (EUA), Rosemarie Anderson, apresenta ao leitor uma nova perspectiva a partir da tradução que ela fez da obra Tao Te Ching, livro clássico da literatura chinesa cuja autoria é atribuida a Lao-Tsé. 

A jornada de tradução da obra começou quando Anderson foi passar um tempo na China e se defrontou com o conceito de wei wu wei, tão difundido no país. Sobre isso, ela afirma que:

"Morar na Ásia com 30 e poucos anos desafiou quase tudo que eu achava que sabia sobre o mundo. Aprendi a difícil lição de aceitar as coisas como elas são e não como eu pensava ou queria que fossem. Olhando em retrospectiva, percebo que havia começado a aprender o que os chineses chamam de  wei wu wei, que significa 'agir sem agir' ou 'saber sem saber'. (...) ... incorporei o conceito chinês do wei wu wei sem muito esforço e, ao voltar para os Estados Unidos, com certeza já era um ser humano bem diferente". (páginas 14 e 15)

Páginas 104 e 105.


O bacana de O Divino Feminino no Tao te Ching está justamente no fato de que a autora não entrega apenas uma tradução de um texto clássico. Ela faz questão de contar quais foram os caminhos que a levou a esse trabalho. O livro, de 184 páginas, apresenta uma introdução que conta como a autora conhecei a Tao; uma primeira parte dizendo por que ela considera a Tao feminina e como ela chegou a essa conclusão; uma segunda sobre as "origens, lendas e manuscritos antigos"; uma terceira, em que aborda como a figura de Lao-Tsé tem uma atribuição um tanto controversa (fora um soldado que deixava a China e antes de partir compartilhou seus ensinamentos ou várias pessoas que foram compilando esses ensinamentos ao longo de anos?). Só depois de toda essa fundamentação que chegamos à parte em que os poemas aparecem traduzidos. Isso é muito bacana tanto para leitores que, assim como eu, nunca tiveram contatos com esse texto antes; quanto para leitores que já conheciam o texto clássico compreenderem os motivos de se ter outra perspectiva.

"No entanto, foi só depois de me aposentar que me perguntei se conseguiria traduzir o manuscrito chinês sozinha. Afinal, eu já era capaz de ler livros básicos em chinês e tinha ao alcance obras acadêmicas que poderiam me ajudar com os caracteres chineses que eu não conhecia. Achei que, se eu traduzisse os poemas inicialmente apenas para meu próprio uso e prazer, talvez pudesse descobrir algo novo no Tao Te Ching ou sobre mim. 
Para minha surpresa, descobri que o Tao era profundamente feminino! Nunca poderia ter previsto isso porque, nas traduções para o inglês que lia, ele é, em geral, designado pelo pronome neutro 'it', ao longo dos versos." (páginas 15 e 16)

Por ser professora, estudante de língua estrangeira e por ter percebido o quanto o impacto das traduções anteriores mudou sua perspectiva sobre o texto, Anderson fez questão de trazer alguns materiais extras após os poemas. Sendo assim, ela também incluiu no final do livro notas sobre as suas escolhas ao longo da tradução, notas sobre as caligrafias que aparecem ao longo do projeto editorial e notas sobre os poemas em si, para facilitação do entendimento. Ou seja, apesar de ser um livro pequeno em tamanho, é bem completo.

Capa.

Livro: O divino feminino no Tao te ching
Título original: The divine feminine Tao te ching
Autora: Rosemarie Anderson
Tradução: Denise de Carvalho Rocha
Páginas: 184
Editora: Pensamento
Apresentação: Esta tradução do Tao Te Ching é única por revelar pela primeira vez a natureza do Divino Feminino no Tao, descrita no Tao Te Ching como mãe, virgem e útero da criação. Ao longo de dois anos, a professora Rosemarie Anderson Ph.D traduziu minuciosamente todos os 81 poemas, captando a natureza feminina original desse texto clássico da filosofia oriental. Ela explica ainda que o Tao (ou a Tao, como afirma) é uma força feminina, o Ventre Escuro da Criação, o Vazio Imortal que renova a vida repetidas vezes, seja em tempos comuns ou em tempos de crise. Ela tece comentários para os 81 poemas, ajudando a revelar sua profunda sabedoria e também restaura a simplicidade deles bem como sua cadência musical. A autora mostra que a grande mensagem do Tao, o wei wu wei, o agir sem agir , oferece um caminho de paz e bem-estar para nós e nossos relacionamentos com as outras pessoas e o planeta Terra, um caminho que surge da ação espontânea. Rosemarie lança uma nova luz sobre a sabedoria esotérica contida no Tao Te Ching e sua essência feminina e mística.

_____________________________________________________________
Gostou deste post?
Então considere se inscrever na Newsletter para receber boletins mensais 
ou me acompanhar nas redes sociais: 

domingo, 25 de setembro de 2022

Avesso

domingo, setembro 25, 2022 2
Nebulosa. Foto por NASA, via Unsplash.


hoje o dia nasceu estranho, 
rastejando,
confinado.
hoje o dia nasceu querendo não nascer.

faz sol,
mas as horas anseiam por retornar ao útero,
ventre cósmico em que tudo é silêncio-semente.

hoje o dia nasceu de parto a fórceps:
obrigado,
compelido a se arrastar.

e arrastado segue arrastando tudo por onde passa.
e arrastando tudo, o dia desnasce.

hoje o dia não nasceu:
ele se despediu tragado na escuridão.

_____________________________________________________________
Gostou deste post?
Então considere se inscrever na Newsletter para receber boletins mensais 
ou me acompanhar nas redes sociais: 

sexta-feira, 16 de setembro de 2022

Etéreo

sexta-feira, setembro 16, 2022 4


vejo desenhos que se dissolvem
transformação em água, vento,
poesia distante:
muitos admiram, muitos ignoram,
poucos compreendem.
tudo passa pelo olhar de quem estiver 
aberto a se amalgamar com mundo.
ele está pronto para nos receber
de céu e cores abertos.

_____________________________________________________________
Gostou deste post?
Então considere se inscrever na Newsletter para receber boletins mensais 
ou me acompanhar nas redes sociais: 

quarta-feira, 7 de setembro de 2022

Lançamento Quando a Retina não Tinha Filtros, uma antologia poética

quarta-feira, setembro 07, 2022 2


Cheia dos projetos estou. No post passado eu falei do lançamento da Marés, do Projeto Escrita Criativa. Hoje quero contar do lançamento de outro livro, o Quando a Retina não Tinha Filtros, que ajudei a organizar, junto com o poeta Rafael Farina.




No ano passado, Rafa e eu organizamos a primeira edição do curso Poesia ao Sol e à Sombra e Quando a retina não tinha filtros é fruto desse trabalho. A obra, publicada de modo independente, apresenta textos de cinco escritoras — Luísa de Lucena, Maria Clara Santos (Chiara Santi), Marianna Abdo, Rafaela Fischer e Tríssia Ordovás Sartori — que trazem a linguagem poética em seu cerne, seja em versos ou em prosa. O livro chega ao público em setembro de 2022 em formato de e-book e está disponível para compra na Amazon.

Para marcar o lançamento do livro, organizadores e autoras se reunião em uma live no dia 08 de setembro, às 19h45. 



Onde comprar: Amazon.
Formato: e-book. 
Páginas: 62.
Adicione nas suas estantes: Skoob. | Goodreads.

Para saber mais sobre o Poesia ao Sol e à Sombra e sobre as outras modalidades de aula de escrita que eu leciono, clique aqui.
_____________________________________________________________
Gostou deste post?
Então considere se inscrever na Newsletter para receber boletins mensais 
ou me acompanhar nas redes sociais: 

sexta-feira, 2 de setembro de 2022

Lançamento da Marés, a segunda antologia do Projeto Escrita Criativa

sexta-feira, setembro 02, 2022 4
Venha conhecer a Marés! 🌊


Amor, desilusão, aprendizado, protesto, nostalgia, amadurecimento, esperança são os principais temas da segunda antologia do Projeto Escrita Criativa

Como muitos de vocês sabem, sou uma das cofundadoras do Projeto Escrita Criativa — junto com a Ane Venâncio e Ayumi Teruya. Nós três participaremos de uma live no domingo, dia 04 de setembro, às 16 horas, que marcará o lançamento da Marés



A Marés é a segunda antologia organizada pelo Projeto Escrita Criativa. Nascido em 2015, o Projeto Escrita Criativa foi fundado com os objetivos de difundir conhecimentos sobre escrita, criatividade e mercado editorial e de estimular a todos que o acompanham a colocar a escrita literária na rotina. A Marés é mais um fruto deste trabalho.

A antologia é composta por textos escritos com temas propostos pelas duas frentes do Projeto Escrita Criativa — a Blogagem Coletiva e o Desafio Criativo — escritos no período entre maio de 2017 a novembro de 2019 e conta com a autoria de escritores brasileiros, argentinos e espanhóis radicados ao redor do mundo. O livro levou cerca de dois anos para chegar aos leitores justamente porque precisou passar por um processo de seleção de textos, tradução dos textos recebidos em espanhol e todas as outras etapas de produção de uma obra: revisão, diagramação e projeto gráfico — realizadas pelas fundadoras do Projeto Escrita Criativa.



Lançada de modo independente, a Marés promete uma leitura que rompa barreiras e provoque as águas internas de cada leitor, convidando-o a ir fundo nas próprias vivências. Segundo as fundadoras do Projeto Escrita Criativa, “amor, desilusão, aprendizado, protesto, nostalgia, amadurecimento, esperança, tudo anda lado a lado no olhar que as cartas, os contos, as crônicas e os poemas apresentam das diversas realidades de seus autores sobre o mundo”.



Sobre os autores participantes:

A Marés é composta por textos de 16 autores — Alexia B., Ane Venâncio, Ayumi Teruya, Bel Quintilio, Eduardo Fernandes, Elena Liñán, Fernanda Rodrigues, George Gimenez, Jeremías Sosa, Larissa Ardur, Leidiane Holmedal, Lucila Eliazar Neves, Luísa Scheid, Lyä, Michelle Cruz e Pablo Buendía — sendo eles 11 brasileiros, 3 argentinos e 2 espanhóis. Dos autores brasileiros, quatro deles moram fora do país e trouxeram seus olhares de expatriados ao livro, mesclando a cultura brasileira com as culturas argentina, canadense, portuguesa e norueguesa.

Alguns desses autores têm blogs, então vou deixar a lista dos links deles aqui:

Link para compra:


⚠ As 50 primeiras pessoas que comprarem o livro e enviarem o comprovante de pagamento para o e-mail contatoescritacriativa@gmail.com receberão um brinde digital exclusivo.

Evento de lançamento:



FICHA TÉCNICA:

Capa antologia Marés (org. Projeto Escrita Criativa).


Livro: Marés
Organização: Projeto Escrita Criativa
Gênero: Cartas, contos, crônicas e poemas
Autores: Alexia B., Ane Venâncio, Ayumi Teruya, Bel Quintilio, Eduardo Fernandes, Elena Liñán, Fernanda Rodrigues, George Gimenes, Jeremías Sosa, Larissa Ardur, Leidiane Holmedal, Lucila Eliazar Neves, Luísa Scheid, Lyä, Michelle Cruz e Pablo Buendía.
Edição, preparação e revisão: Fernanda Rodrigues
Tradução do espanhol e diagramação: Ayumi Teruya
Capa: Ane Venâncio
Editora: publicação independente
Lançamento: 04 de setembro de 2022
Apresentação: Ninguém consegue passar pela arte sem ser movido para algum lugar de reflexão. Ela põe a todos em movimento, e com Marés não seria diferente. Ao propor os temas do mês — tanto da blogagem coletiva, quanto do desafio criativo —, o objetivo do Projeto Escrita Criativa é justamente que escritores e leitores mergulhem em suas próprias profundezas ao entrar em contato com a literatura. Esta antologia, portanto, é o resultado desse o movimento: as águas — sejam elas emocionais ou físicas — estão presente ao longo da obra. Cada texto convocou os autores e convida os leitores a ir fundo em suas próprias vivências. Amor, desilusão, aprendizado, protesto, nostalgia, amadurecimento, esperança, tudo anda lado a lado no olhar que as cartas, os contos, as crônicas e os poemas apresentam das diversas realidades do mundo. Em Marés reunimos autores brasileiros, argentinos e espanhóis que residem em seis países — Brasil, Argentina, Canadá, Espanha, Portugal e Noruega — humanizando e universalizando suas experiências particulares, como só o bom texto literário é capaz de fazer.

_____________________________________________________________
Gostou deste post?
Então considere se inscrever na Newsletter para receber boletins mensais 
ou me acompanhar nas redes sociais: 
Algumas Observações | Ano 16 | Textos por Fernanda Rodrigues. Tecnologia do Blogger.