Retrospectiva

by - 10:00 AM

Foto: Jess Has Eyes

Dezembro é mês de retrospectiva. Lembranças, então, surgem: as glórias, delicias de serem lembradas; os fracassos, dolores que querem ser esquecidos.

Enfrento as mágoas. Assim como o Harry, acredito que temos que enunciar Aquele-Que-Não-Deve-Ser-Nomeado. Só enfrentando, esquecemos; então, vou em frente: sinto sua mão em minha cintura, seus lábios nos meus. Volto mais: nossos amigos teimando que deveríamos estarmos juntos. Mais atrás no tempo, o que encontro? Boa pergunta!

Tento me recordar quem eu era antes de você. Como era aquela garota inocente que vivia alimentada por amores platônicos não realizados?

Olho para trás na tentativa de reconhecer o que sobrou daquela menina nesta mulher que escreve este teto. Esperança de dias melhores? Talvez não. O ceticismo tem obrado aqui ultimamente.

O que ela e eu temos em comum é a fé de que o amor existe em um reino tão, tão distante deste coração partido.

You May Also Like

6 comentários

  1. Bela retrospectiva!
    saber tirar beleza da dor é realmente um dom. A poesia das suas palavras me tocou e acredite feliz daquele que usa o sofrimento como "escada" para uma nova realidade pessoal. Ninguém disse que seria fácil, mas também ninguém disse que seria doce a vitória.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lu! :)

      A dor tem que servir para algo. No meu caso, ela me ajuda a lapidar um caminho que eu mesma desconheço.
      Fácil nunca é, mas quando vejo o texto escrito no final, sinto que valeu a pena!
      Como diz a música: "Sou pescador de ilusões" ;)

      Um beijo,

      Excluir
  2. é isso mesmo! A partir do momento em que me "percebi" um ser "sensorial" entendi que sofrimento não é algo ruim e que ele, em vez de inimigo pode ser um grande conselheiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. os caminhos se abrem para uma nova perspectiva, esta é a verdade... Desde que estejamos prontos para assumir tudo isso. Olhar para dentro dói e não é pouco!

      Excluir
  3. Certas coisas nos faz sofrer mas nos amadurece em proporções infinitamente maiores - e olha que de sofrimento eu entendo! Tá pra nascer uma vida amorosa mais novela mexicana do que a minha!

    ResponderExcluir

Não deixe de observar também!

Sempre vou responder ao seu comentário por aqui; mas, se você deixar o seu link, farei questão de ir observar na sua morada! ;)