{Vamos falar sobre escrita?} Um encontro com o escritor e instagramer Rodrigo Amado


Eu e o entrevistado da vez: Rodrigo Amado, @omeninoamado

Quando convidei o guarulhense Rodrigo Amado para um bate-papo, não pensei que ele seria tão solícito. A simpatia veio não apenas ao me responder, mas ao aceitar em conceder uma entrevista. Com mais de 10 mil seguidores, o mais novo fenômeno poético da rede social de imagens foi muito acessível e aberto a ideia de conversar sobre o seu trabalho.

Nos encontramos no último sábado, dia 10, em uma cafeteria na região da Avenida Paulista, em São Paulo. Em um clima agradável, falamos sobre literatura e amor, inspiração e bondade e como todas estas coisas podem se relacionar para tornar a vida das pessoas mais leves.

Comecei me apresentando, a pedido do próprio Rodrigo, que me ouviu atentamente, enquanto descrevia a minha vida de blogueira, professora e escritora. Esta era a minha primeira experiência entrevistando alguém olho no olho, com o caderninho de perguntas aberto e uma disponibilidade para ouvir e aprender com a experiência de outro autor. Estava nervosa e igualmente entusiasmada, com a esperança de que tudo desse certo. E deu!

Como pode um poeta ser tão habilidoso com as palavras e tão tímido ao dizê-las? Desde as primeiras conversas virtuais – para marcarmos o nosso encontro – Rodrigo deixou claro que a timidez é uma de suas marcas. Então, quando pedi para gravar a nossa conversa, ele ficou ligeiramente vermelho, ainda que tenha dito que eu gravasse o áudio sem problemas. Nossa conversa seguiu, por cerca de uma hora, sendo agradável para os dois.

A ideia de escrever no instagram


A ideia da página do instagram nasceu após o fim de um relacionamento conturbado. Aquele seria, então, o espaço para colocar para fora toda dor e sofrimento. A princípio, as postagens eram feitas no ig pessoal do autor, porque ele queria que a pessoa com quem então se relacionava, soubesse o que se passava em sua cabeça. "Eu queria que aquela pessoa visse o que eu estava escrevendo e o que eu estava sentindo. Então, eu escrevia para ela ver", uma escrita sem pretensão literária, mas com a missão de ser um próprio remédio de autocura.

Ao longo deste processo, a Cassi (do Feita à mão: @feita_a_mão), procurou Rodrigo para incentivá-lo a transformar a dor em arte, dando a ele a ideia de criar um ig só para os poemas. Ter algo separado o ajudaria a vencer o medo de se assumir como autor. "Aí, na mesma hora em que ela falou isso, eu fui e montei o ig. Como no início eu já tinha terminado o meu relacionamento, pensei: eu não sou amado por ninguém. Como vai ser o nome do ig? O meu nome é Rodrigo dos Santos Amado. Eu tenho Amado no nome, de verdade. Como eu estava muito decepcionado, eu coloquei @amadosonome. Por mais ninguém, era Amado só no Nome".

De @amadosonome a @meninoamado


O crescimento do ig veio de forma rápida. Logo após as primeiras postagens, os seguidores foram surgindo, formando uma espécie de círculo vicioso: postagem – mensagens de incentivo para continuar escrevendo – novas postagens e seguidores. Até que outra pessoa chegou e lhe lançou a seguinte pergunta: "você já viu o tanto de gente que está te seguindo e o tanto de gente que gosta de você? Você não é Amado só no nome. Muda o nome desse ig!". Desta conversa, surgiu o nome O Menino Amado.

Recriando com criatividade e servindo de inspiração


Como o instagram é uma rede social essencialmente visual, além do conteúdo, Rodrigo se preocupa com a estética do seu perfil. "Na linha você pode pôr três imagens, eu vou colocar duas frases e na última, um texto. Foi assim que eu comecei a organizar".

Esta reorganização ajudou o Rodrigo a decidir os rumos do seu projeto literário. Para rearranjar a estética do seu ig, ele apagou o que não considerava bom, sem ter dó. Não salvou nenhum de seus poemas e pensamentos, que considerava doloroso ao extremo, optando por conservar o lirismo nas suas mensagens. "Excluí frases antigas e nisso de excluir e reler os textos do passado, eu percebi que tinha muita coisa triste, sangrenta, que eu escrevi em momentos de muita dor. Decidi que queria deixar o ig de uma forma mais leve, mais amorosa".

Já mais à vontade com a entrevista, ele relata que notou muitos poetas instagramers seguindo os seus passos. "Eu comecei a fazer isso e depois eu comecei a ver muitos igs também fazendo a mesma coisa de duas frases e um texto, duas frases e um texto. É legal porque eu iniciei isso. Eu não fiquei chateado, pelo o contrário, ficou um negócio diferente e legal".

Esta organização também é uma estratégia de escrita. Agora, o autor se vê comprometido com a ideia de sempre ter dois textos mais curtos e um mais longo. Se algo sair fora deste scritp, ele já sabe que seus leitores mandarão mensagens perguntando o que houve, já que há uma espera grande nesse sentido. Via direct messages chega a cobrança de "quando vai ter o próximo texto?" .




Mais de 11 mil seguidores em cerca de cinco meses: timidez e colaboração

A timidez volta a ser tema da nossa conversa, quando Rodrigo fala dos vídeos que fez no Instagram Stories. Para ele, é surreal ter mais de mil pessoas vendo o que ele diz, sendo que tudo o que ele faz é escrever sobre aquilo que sente. "Eu fiz uns dois vídeos, mas não consigo nem olhar para o celular. Sou muito tímido". Ao mesmo tempo, ele diz que não vai deixar de ser ele mesmo. No dia em que gravou para agradecer pela marca de 10 mil seguidores, resolveu que não pensaria muito: "gravei depois de tomar banho, com o cabelo assim mesmo, não vou ficar me arrumando, não".

A valorização da essência é primordial para Rodrigo. Ele diz que já recebeu propostas de parcerias e de publicidade, mas que não aceitou por não ver ligação dessas propostas com o que faz. "Agora eu não quero isso para o meu ig. Eu vou perder o foco e as pessoas que estão atrás de ler o que eu tenho para mostrar, se escrever coisas que não são minhas... Então eu não quero. Agora, no momento, não".

Entretanto, se a publicidade não faz parte dos planos, a ajuda é sempre bem-vinda. Nisso, dá para perceber que o autor traz consigo aquela essência da blogsfera old school, que acredita na internet como rede colaborativa. "Eu ajudo muito artista. Gente que escreve, fotógrafos - divulgo imagem... Eu gosto de ajudar as pessoas que escrevem. Às vezes entro em um ig e vejo que a pessoa está com dificuldade de formatação na imagem, aí chamo no direct e pergunto 'você já ouviu falar nesse aplicativo tal?'. Eu tento ajudar as pessoas. Esse é o meu foco. Ajudar as pessoas e plantar amor por aí".


Setembro amarelo. Para quem não sabe esse mês é amarelo em alerta a uma campanha de prevenção contra o suicídio. Talvez não demos conta do tamanho da gravidade desses fatos, e a depressão que é uma das maiores causas destes acidentes, e não existe remédio maior do que falar, conversar e se abrir sobre o que te sufoca, no meu caso foi a dor de um desamor, alguém que de certa forma me deixou doente, sei que uma hora vai passar, mas quando a gente aceita a confusão que é uma pessoa, se entrega de corpo e alma, e essa pessoa te decepciona, leva um certo tempo até você colocar os pés no chão outra vez. Eu vou ser bem sincero eu nem sabia desta campanha, venho escrevendo sobre a depressão desde ontem no meu outro texto, pois ando com o coração bem apertado, eu disse que esse mês era punk pra mim, pois é um mês com datas comemorativas relacionadas a pessoa que um dia amei, e junto com todas essas coisas vem muitas lembranças, então acabo escrevendo tudo que sinto pois é uma forma de desafogar, me sinto muito melhor quando ganho uma curtida e cada carinho que recebo de vocês nos comentários. Mas a nossa mente se deixarmos ela nos leva pro fundo, a saúde mental é de extrema importância pra saúde da alma, a depressão te deixa mal, te afasta das pessoas que você ama, tenho recebido muita ajuda de quem amo, pessoas que me rodeiam, mas esses dias tem sido muito complicado pra mim, até para escrever pra vocês, mas se alguém quiser conversar e compartilhar o que te sufoca também, pode me chamar no direct, aqui tem um coração em pedaços mas que ainda deve prestar para alguma coisa. R. A. #setembro #setembroamarelo #rodrigoamado #omeninoamado
Uma foto publicada por Rodrigo Amado (@omeninoamado) em


Relação com os leitores, setembro amarelo, depressão e a responsabilidade da escrita


Faz parte de plantar o amor ajudar e se relacionar também com os leitores. No início do mês, Rodrigo Amado fez um post sobre a campanha setembro amarelo e nos contou um pouco de como foi a recepção de seus leitores. Ele relatou ainda como os leitores têm curiosidade de saber mais quem está por traz das palavras românticas de sua página. "Eu tento tratar todos da melhor maneira. Um exemplo foi quando eu falei do suicídio, por causa do setembro mês amarelo. Fiz um post para alertar sobre a depressão, porque eu já passei por isso e sei por onde ela nos leva. Eu escrevi para as pessoas procurarem um profissional, um psicólogo. Isso é natural hoje, todo mundo deveria ter o seu psicólogo. Eu vejo a mente como um órgão que pode adoecer e ficar doente como qualquer outro órgão do seu corpo. Uma mente doente pode te levar para o fundo do poço. Então eu abordei isso em um dos meus texto e falei que meu ig estava aberto para conversar. Muita gente me procurou com histórias pesadas mesmo, histórias de estupro, de gente que já tentou se matar. E eu tentei conversar da melhor maneira. É de extrema responsabilidade você escrever as coisas, porque você atinge todos os públicos e todo mundo te lê. Desde quem está doente da alma, psicologicamente, do coração até quem está dirigindo feliz indo trabalhar".

O jogo de cintura faz parte também da paixão que o escritor que leva suas leitoras a sentirem, um estado de paixão platônica. Rodrigo relata que muitas leitoras entram em contato com ele via direct message. para se declarar. Nessas horas, ele tenta separar o autor da pessoa física e sai pela tangente. "Não é assim que funciona, você está muito longe, eu quero ficar sozinho agora", são algumas das saídas. "Você tem que saber sair e conversar com essas pessoas para não magoar. De qualquer forma, às vezes você acaba magoando sem querer, porque essa pessoa que te procurou apaixonada pelo o que você escreveu, pelo escritor, não pela pessoa. Ela fala com você, mas você não consegue responder naquele exato momento, ela te manda uma mensagem com um 'você não me ama mais'... Mesmo sem querer, acaba chateada. São muitas pessoas para responder e é difícil para algumas delas separar as coisas".

Além da paixão platônica, os leitores gostam tanto do autor ao ponto de querer vê-lo bem. Vira e mexe, Rodrigo é questionado sobre quando irá parar de falar da ex-namorada – a que o fez sofrer a ponto de levá-lo a escrever. Sobre este assunto, ele é categórico ao afirmar que seus poemas, frases e pensamentos são sobre o que ele sente e que "por mais a pessoa tenha te feito sofrer e se sentir o pior ser humano do mundo, quando fala de amor, você vai se lembrar da última pessoa que você amou. E você só vai parar de falar nisso quando outra pessoa suprir tudo isso que falta em você, quando você passar a acreditar novamente, quando você voltar a amar novamente. É uma coisa natural. O amor é uma coisa natural".


Influências e autores preferidos


O Menino Amado adora fazer leituras no próprio instagram. Visita diariamente os perfis do João Deoderlein, o @akapoeta, e do seguidor que, conforme diz: "eu não sei quem ele é. Não sei se é homem ou uma mulher, sei que é um personagem. O ig dele é @minhaalmaimoral. Ele assina também assim, como Minha Alma Imoral". Além deles dois, há "também tem o Felipe Mello, do @ofepas. São igs que eu visto frequentemente, eu me identifico bastante. Sobre os livros, eu me identifico bastante com a história de vida do Charles Bukowski. A história de amor dele é muito parecida com a minha. Eu não bebi, não usei drogas, mas as nossas histórias são parecidas".

Quando questionado sobre ser escritor, Rodrigo afirma que ainda precisa de muito preparo. Agora, ele comprou um computador, pois tudo o que fazia era no celular. Além de pensar no backup do que já produziu, os olhos do autor estão no futuro. "Muita gente me manda direct e me chama no WhatsApp e fala 'Eu vou na estreia do seu livro. Eu quero estar lá, eu quero estar na fila. Quando que vai ser?'. Agora, não é que eu me sinta obrigado, agora é um dever escrever para estas pessoas, entendeu? Eu quero escrever para estas pessoas que gostam". E ainda completa: "eu não vou parar de falar de amor, porque o amor está dentro da gente".

Gostou da entrevista e quer conhecer mais sobre o trabalho do Rodrigo? Então corre lá no instagram: @omeninoamado ou na recém-nascida página do facebook
_____________________________________________________________

You May Also Like

10 comentários

  1. Que máximo!!! Adorei a entrevista, ainda não conhecia o perfil dele e já vou dar uma espiada no insta.
    Parabéns pelo post! Continue na nova carreira de jornalista/entrevistadora que você leva jeito ;)
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    http://nanaeosamigosvirtuais.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nana! Obrigada pelo elogio à entrevista! :D
      Fui muito bom poder conhecer mais do Rodrigo, já que sempre admirei o trabalho autoral dele.
      Beijos para você,

      Excluir
  2. Que legal Fê! Parabéns pelo sucesso da entrevista.
    Fiquei super curiosa com o trabalho do Rodrigo. Com certeza vou acompanhar!
    Beijos ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Aline! :)
      Obrigada pelas palavras!
      Vale a pena acompanhar o trabalho dele sim! :D

      Beijos,

      Excluir
  3. Fê, eu tenho que confessar que não conhecia o Rodrigo, e achei linda a forma como ele decidiu transformar toda a dor que ele estava sentindo em poesia, colocar todos os teus sentimentos no papel é demais. Gostei demais da tua entrevista. As frases dele são lindas.
    Beijos,
    radioactivebookss.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jéssica!
      Adoro saber que estou apresentando este talento para as pessoas! É muito legal saber que leitores tão criteriosos quanto você estão gostando de conhecer o trabalho do Rodrigo. ♥
      Obrigada pelos elogios à entrevista! :D

      Beijos,

      Excluir
  4. Nossa é tão bom ler esses comentários, eles me fazem me sentir tão bem, nunca recebi tanto carinho na minha vida.A forma doce como que Fe me descreveu é contagiante. Tudo isso ainda parece ser um sonho, obrigado a todos pelo carinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rô!
      Só coloquei no papel (ou seria na tela?) aquilo que você me disse. Você é encantador e merece todo o carinho do universo!
      Sucesso na sua poesia! ♥
      Beijos carinhosos,

      Excluir
  5. Hey Fer!
    mas que fofo esse menino!
    ja fui seguir o ig dele... quem diria que um coração partido faria tao bem pra ele hein? conseguir expor os sentimentos e estar um sucesso de seguidores, que lindeza
    amei ele e a entrevista sua com ele, e a foto super meiga!
    não conhecia mas ja que conheci via seu blog, vamos conhecer mais né? :D dorei!
    e parabens pela coragem e pela entrevista eye-to-eye :*
    Aí sim! É bem fofinha essa sinopse mesmo <3
    Um beijo!
    Pâm - www.interruptedreamer.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pâm, entrevistar eye-to-eye foi uma experiência engraçada para mim, que me ajudou a crescer muito como pessoa. É claro que só gostei, porque o Rodrigo, além de talentoso, é muito querido! :D
      Fico feliz que você tenha gostado do trabalho dele e que tenha se tornado mais seguidora do que ele faz! :D
      Beijos para você e obrigada pelo carinho!
      Fe

      Excluir

Não deixe de observar também!

Sempre vou responder ao seu comentário por aqui; mas, se você deixar o seu link, farei questão de ir observar na sua morada! ;)