sexta-feira, 11 de junho de 2021

{Resenha} Ossos Açucarados, de Rafael Farina

Resenha do livro Ossos Açucarados, de Rafael Farina.



O que há no centro do eu, de mais importante? A poética em Ossos Açucarados vai em busca, não das respostas, mas do caminho. Os ossos estão no cerne e o açúcar vem na medida — amor demais sempre transborda.

O livro apresenta poemas que fazem uma fronteira entre a lírica e a crônica. Seu autor, Rafael Faria, é preciso no equilíbrio de coletar os fatos cotidianos, os detalhes que passariam despercebidos e os sentimentos — sejam eles latentes ou evidentes — e transformá-los em textos que aguçam o leitor. Os poemas, que trazem o olhar sobre as vivências e o que está ao redor do poeta, são profundos justamente porque tocam naquilo que é universal: a humanidade que resiste em cada um — ainda mais agora, em tempos que as telas mediam boa parte das relações entre as pessoas.

Ossos Açucarados, de Rafael Farina.


Amor e desejo andam, lado a lado,  numa geografia própria — mesmo que não sejam correspondidos. Eles brotam das ondas,  da solidão na companhia do cachorro que toma banho de sol, no pesado casaco, na curva do corpo da pessoa amada. A lírica atravessa os tempos modernos e hiperconectados, movendo o poeta em trânsito. É interessante notar como cada texto abre portas para que o leitor se relacione não só com os versos em si, mas também com o que há em seus próprios ossos. Seriam eles também açucarados?

Um dos poemas do Ossos Açucarados.

A publicação em si também está impecável. O livro, lançado de modo independente em parceria com a revista Rusga, conta com a capa e com o projeto gráfico da Yasnaya Yanez.


"Da mesma forma que o mar
nunca repete as mesmas ondas

os melhores encontros
ocorrem de imprevisto."
(Rafael Farina)


No dia 26 de maio, conversei com o Rafael em uma live no YouTube. Vocês podem ver o bate-papo aqui:

 

"Entre três e cinco da tarde
ponho o Sol na palma da mão
caso tu apareça
de surpresa
reclamando que o tempo virou."
(Rafael Farina)

Capa do livro Ossos Açucarados.
Capa.



Livro: Ossos Açucarados
Autor: Rafael Farina
Gênero: Poesia
Apresentação: Uma autópsia em cada página, em cada estação do ano. A suposta facilidade em se adaptar cada vez que abre os olhos contrasta com as dificuldades ao esbarrar com alguma parte do corpo dela. Quando a incisão da caneta perfura fundo, um perfume doce escapa pelas frestas. 
📙 Para comprar um exemplar físico, entre em contato com o autor, via Instagram: @rafael.com.f. | Para comprar o e-book, acesse o livro na Amazon ou no Clube de Autores.
📙 Para ler a entrevista que o Rafael respondeu para o blog, em outubro de 2020, clique aqui.

_____________________________________________________________

3 comentários:

  1. Oi Fernanda,
    Gostei de conhecer sobre esse livro, ele me parece ser realmente bem tocante, principalmente por que traz elementos cotidianos e faz o leitor se identificar.
    Quando possível quero conferir essa obra.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  2. Oi Fernanda,
    Não conhecia a obra, nem o autor!
    Assumo que não sou muito de ler poesias, prefiro romances completos, mas parece ser um livro que merece reconhecimento!
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi, Fernanda. Tudo bem? Por eu gostar de ler livros de poesias, já me interessei por este. Me parece um livro encantador. Ótima resenha. Abraço!


    http://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com

    ResponderExcluir

Olá!

♥ Quer comentar, mas não tem uma conta no Google? Basta alterar para a melhor opção no menu "Comentar como:". Se você não tiver uma conta para vincular, escolha a opção Nome/URL e deixe a URL em branco, comentando somente com seu nome.

♥ É muito bom poder ouvir o que você pensa sobre este post. Por favor, se possível, deixe o link do seu site/blog. Ficarei feliz por poder retribuir a sua visita.

♥ Quer saber mais sobre o Algumas Observações? Então, inscreva-se para receber a newsletter: bit.ly/newsletteralgumasobservacoes

♥ Volte sempre! ;)

Algumas Observações | Ano 14 | Textos por Fernanda Rodrigues. Tecnologia do Blogger.