domingo, 11 de fevereiro de 2024

O que o coração quer mesmo é se derreter



Às vezes eu penso que não há ninguém para contar, que ninguém se importa. O mundo é cruel demais e nem uma pandemia conseguiu trazer mais humanidade ao Homo sapiens. Viver uma jornada sem compartilhar os medos pesa; as pessoas jamais compreenderiam — não por serem incapazes, mas porque simplesmente não querem. Sempre há gente que resolve tudo com dinheiro — e quando não há solução por essa via, joga-se tudo para debaixo do tapete. Sempre há dor e sofrimento espreitando a esquina. Onde há dor e desigualdade, a porta da empatia já foi lacrada há tempos.

Quase sempre acho que todos estão nem aí. Então um lampejo surge de onde eu não esperaria. Um lampejo desses forte e simples, um raio em forma de palavras que estremece o meu coração de um jeito bom. Agradeço dizendo que é fofo, pareço desconcertada, mas a verdade é que, ao menos por alguns instantes, deixo o ritmo triste, e passo a suspirar uma esperança em forma de abraço. Alento. Usar a fofura se torna, portanto, uma forma de agradecimento tenro quando as palavras não soam suficientes a tamanho acolhimento e devoção.

Coleciono esses momentos como faço com as polaroids: coloco no álbum que eu mesma fiz. Depois, de tempos em tempos sorrio ao percorrer suas páginas. Vejo imagem por imagem, sabendo que cada memória doce me protege de não me tornar um monstro, de não incendiar a mim mesma.



_____________________________________________________________
Gostou deste post?
Então considere se inscrever na Newsletter para receber boletins mensais 
ou me acompanhar nas redes sociais: 

16 comentários:

  1. Oi, Fernanda!
    Confesso que tenho as mesmas impressões que você. E meu coração aperta quando penso que estamos caminhando para dias ainda mais difíceis. Mas sigo firme na minha esperança de que ainda podemos mudar e melhorar!


    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que a esperança é o que nos mantem seguindo, né?
      Sem ela, fica difícil demais. :)

      Um beijo e obrigada pela leitura.

      Excluir
  2. Infelizmente não está fácil viver, vemos muita crueldade no mundo, mas a verdade é que sempre foi e parece que sempre será assim. Acho que o que nos resta é nos apegarmos ao que há de bom e aproveitar a companhia dos nossos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O caminho que a gente alimenta é o caminho que a gente anda, não é? É importante focar no que há de bom, pra alimentar o que é bom. :)

      Beijos

      Excluir
  3. Bonito texto e muito reflexivo. Também me sinto assim em muitos momentos. Existem muita maldade, muita ganância nesse mundo :(
    Mas ainda bem que também existem pessoas boas e fofas, assim como você.

    Ah respondendo seu comentário lá no blog, claroooo um dia quero voltar passear por São Paulo e te aviso sim pra gente se ver! Caso venha pra Curitiba me avise também. Seria muito legal! ♥

    https://www.heyimwiththeband.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por ver fofura e bondade em mim, pela leitura e pelo comentário! :)
      Espero que a gente possa se ver em breve!

      Um beijo

      Excluir
  4. Um bom texto para reflexão. Tem muita maldade nesse mundo, mas ao mesmo tempo tem muitas pessoas boas e que só fazem o bem.
    Beijos!!!

    galerafashion.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! É uma questão de saber focar o olhar, não é mesmo?!

      Um beijo :*

      Excluir
  5. Texto profundo e especial. Obrigado por compartilhar.

    Boa semana!

    O JOVEM JORNALISTA está em HIATUS DE VERÃO do dia 03 de fevereiro à 06 de março, mas comentarei nos blogs amigos nesse período. O JJ, portanto, está cheio de posts legais e interessantes. Não deixe de conferir!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  6. São esses momentos de beleza que me convencem de que ainda vale a pena acreditar. Porque no geral a gente tá sempre perdido em desesperança. Eu sempre comemoro esses lampejos de carinho, de humanidade... porque são eles que salvam nosso coração no fim das contas.

    Um beijo, <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses momentos sempre nos dão um fôlego, não é mesmo?
      Muitas vezes eles me salvam!

      Um beijo

      Excluir
  7. Oi Fernanda, nossa, às vezes eu fico pensando sobre essa ideia de que a pandemia faria aflorar o melhor nas pessoas. Ficou só na ideia mesmo, porque quem já tinha um bom coração continuou com ele, quem falha na empatia, continua falhando. Uma pena. Foi realmente uma oportunidade e tanto, apesar de tudo o que aconteceu.

    Gostei muito do seu texto! Eu também tento guardar esses momentos porque não quero ser mudada pelo mundo. Resistirei enquanto puder. E que Deus nos ajude.

    Até breve;
    Te espero nos meus blogs!
    Helaina (Escritora || Blogueira)
    https://hipercriativa.blogspot.com (Livros, filmes e séries)
    https://universo-invisivel.blogspot.com (Contos, crônicas e afins)

    ResponderExcluir
  8. Compartilho do mesmo sentimento, Fê! As coisas andam muito distantes e automáticas. Os micro momentos de fofura e demonstração de que estão realmente nos ouvindo são raros. Eu vivo muito sem esperanças e com medo de perguntar porque as pessoas que se importavam antes passam a ficar distantes. Aí me apego a esses mini momentos que, na realidade, queria que fossem mais constantes. Beijos :)

    ResponderExcluir

Olá!

♥ Quer comentar, mas não tem uma conta no Google? Basta alterar para a melhor opção no menu COMENTAR COMO. Se você não tiver uma conta para vincular, escolha a opção Nome/URL e deixe a URL em branco, comentando somente com seu nome.

♥ É muito bom poder ouvir o que você pensa sobre este post. Por favor, se possível, deixe o link do seu site/blog. Ficarei feliz por poder retribuir a sua visita.

♥ Quer saber mais sobre o Algumas Observações? Então, inscreva-se para receber a newsletter: bit.ly/newsletteralgumasobservacoes

♥ Volte sempre! ;)

Algumas Observações | Ano 17 | Textos por Fernanda Rodrigues. Tecnologia do Blogger.