domingo, 6 de fevereiro de 2022

Maroon 5

Maroon 5 em Santiago, Chile (2020).
Foto: maroon5.com

Caro vizinho,

Você não sabe, mas você é o meu crush, o meu Maroon 5 particular. Meu amor velado por você vem desde 2005, mais ou menos. Ok. Você também não me conhece — pelo menos não fomos apresentados formalmente —, mas meu coração por ti bate como caroço de abacate desde a primeira vez que te vi: eu seguia em uma das minhas tantas caminhadas até o metrô, você vinha em sentido oposto. Pois é, banal, eu sei; mas, naquele dia, me lamentei por não ter colocado a melhor roupa, por não ter feito maquiagem. Naquele dia, meu coração pulou por você, foi difícil respirar.

Dias depois, notei que teríamos aquela mesma rotina — eu indo, você vindo — durante toda a semana. Sair de casa deixou de ser um tormento. A ansiedade por aqueles dois segundos de troca de olhar ganhou a cena na minha vida. Junto com ela, a curiosidade do “onde será que ele mora?”.

Até que aconteceu. Era um sábado nublado de junho, por volta das cinco da tarde. Tinha passado o dia com as amigas e estava em mais uma volta para casa distraída — vivo com a cabeça nas nuvens, sabe como é. Enfim, lá estou eu descendo a rua, quando te avisto alguns metros à minha frente. Apesar de estar sem o mapa que me guia até você, sentia que finalmente veria qual era o seu destino. Passou uma travessa, virou a segunda à direita. Meu caminho. Será que vai descer a rua de casa? Parou no prédio. Então é ali! Elementar, cara Fernanda. Mistério desvendado.

Não sei se já te falaram, mas você é um gato. Não um qualquer. Aliás, é justamente por conta da sua beleza que te apelidei de “vizinho Maroon 5”. O fato é que você é a cara do Adam Levine, o vocalista da banda. O mesmo olhar, os mesmos olhos azuis, a mesma estatura. Só faltam as tatuagens e te ver dançando (será que rola aquela pitada de Mick Jagger?). Não há como a fan girl aqui não te desejar.


Adam Levine em um show do Maroon 5, em Paris (2019).
Fonte: marron5.com


Quando a minha amiga de infância, se mudou para o mesmo prédio que você, fiz festa. Sabia que viveria por lá e imaginei que as chances de te ver aumentariam. Ledo engano. Meu sonho de ficar presa no elevador contigo não foi mais que um devaneio. A temporada dela no prédio foi curta e, durante esse período, passei por você apenas uma vez, tão rápido como os encontros que tínhamos na rua.

Ficamos um tempo sem nos vermos, quando entrei para a vida corrida de trabalho e faculdade. Não te esqueci, embora vivesse cercada pelos caras de Direito, das Engenharias e da Economia. Por isso, fiquei feliz quando, em um dia qualquer, passei por você de novo. Te achei mais forte, mas seu semblante continuava sério e triste. Ah! A sua tristeza. Talvez seja isso que me faça gostar tanto de você. Essa tristeza que você carrega no olhar — e que te diferencia do Adam Levine. Sua tristeza é como uma maré que me puxa para dentro desse azul.

Ok, depois de uma declaração brega como esta, você já entendeu a razão pela qual eu nunca tive a coragem de te dizer “oi”, certo? Certo. Melhor encerrar por aqui.

Beijos,

Sugar

_____________________________________________________________

10 comentários:

  1. Respostas
    1. Às vezes a gente usa da criatividade pra escrever umas coisas fofas hehehehe

      Excluir
  2. Se vc ver ele de novo, vc PRECISA dizer oi!!!!! Hahahahahaha Eu nunca reparei que os olhos do Adam são azuis, menina! Uma novidade depois de anos e anos gostando da banda (e agora eu nem gosto mais tanto assim, mas o Adam é o Adam, né).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miga, quanto aos olhos do Adam, eu me dei a liberdade poética. Não fui checar se era isso mesmo antes de escrever. Quanto à crônica, eu estou rindo demais de todo mundo fazendo a fic nos comentários! :)

      Excluir
  3. Pelo amor de Deusa você precisa dar um "olár, vizinho"! Nem que seja um casual "boa tarde" ou "tem horas?"... quero cenas dos próximos capítulos na minha mesa em uma semana! ahahah h

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uhahahaha esse texto foi escrito há algum tempo. Desde a pandemia, nunca mais o vi. :)

      Estou aqui rindo da fic que todo mundo está fazendo aushuashas

      Beijos, Sis!

      Excluir
  4. Ooi
    Olha, adorei o texto. Tem que tomar coragem de falar com o boy na parte 2 kkk

    Silviane • kzmirobooks.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uhahahahah
      Eu fico feliz que você tenha gostado. Por enquanto, não vai ter parte 2. Vou salvar essa ideia para mais pra frente ;)

      Beijos :*

      Excluir
  5. Espero que essa coragem venha em breve. Ao menos espero que o crush tenha lido o seu texto. Vai dar certo!

    Boa semana!

    O JOVEM JORNALISTA está em Hiatus de verão de 18 de janeiro à 04 de março, mas comentaremos nos blogs amigos nesse período! Mesmo em Hiatus, o blog tem um post novo. Não deixe de conferir!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se ele ler isso um dia vai ser mto obra do destino!
      Obrigada por comentar :)

      Beijo

      Excluir

Olá!

♥ Quer comentar, mas não tem uma conta no Google? Basta alterar para a melhor opção no menu COMENTAR COMO. Se você não tiver uma conta para vincular, escolha a opção Nome/URL e deixe a URL em branco, comentando somente com seu nome.

♥ É muito bom poder ouvir o que você pensa sobre este post. Por favor, se possível, deixe o link do seu site/blog. Ficarei feliz por poder retribuir a sua visita.

♥ Quer saber mais sobre o Algumas Observações? Então, inscreva-se para receber a newsletter: bit.ly/newsletteralgumasobservacoes

♥ Volte sempre! ;)

Algumas Observações | Ano 14 | Textos por Fernanda Rodrigues. Tecnologia do Blogger.