sábado, 30 de outubro de 2021

Sísmico

Foto por Matt Hardy, via Unsplash.


E eis que eu estou aqui novamente, na angústia de escrever e apagar e rescrever este post mais de uma vez. Poderia culpar conta da crise de enxaqueca que me acompanhou ao longo da semana ou o projeto grande de trabalho que tem me tirado o sono. Mas não. De novo, não. A razão do fazer e desfazer perpassa por outros caminhos.

Algumas pausas são mais necessárias que outras. Não há como mergulhar fundo sem o equipamento adequado. No caso da palavra, ela só é ouvida se houver fôlego e silêncio. No meio de uma explosão, ficará para sempre perdida. Talvez seja isso: tenho explodido para dentro. Como o eremita, busco fôlego na luz do mar do meu casulo. Sonhos me mandam sinais. Anoto tudo que lembro no meu diário, numa tentativa de descobrir ali a passagem secreta que me desague numa ilha paradisíaca. O problema é que não quero ser ilha, meu desejo é de continente! Terra firme depois de tantas moléculas de H²O... Isso é mais uma das minhas contradições.

Os encontros literários, mesmo que através de uma tela, me levam cada vez mais a perceber as minhas fragilidades. Meus calcanhares de Aquiles (assim mesmo, no plural) são mais fortes do que eu. Noto o quanto é cansativo lutar contra o moinho submerso e carcomido por águas que sempre mudam de direção e aparecem arrastando tudo para os lugares mais inusitados. Por algum tempo, desisto.

Até agora escrevi sobre marés hiperbólicas, repletas de incertezas e da aspiração do ser mais. Contraditoriamente foi justamente essa pressão de ser gente que não me permitiu ser eu. Como quase tudo na vida, a escrita me é âncora pesada e distante: há responsabilidade em parir algo para o mundo  mesmo que seja um pequeno post para um blog insignificante. Será que estou contribuindo? 

No fundo, parei momentaneamente de olhar para trás e de tomar cafés com os amigos. Parei de publicar textos para tentar entender como lidar com essa pressão em meus ouvidos. Nesse impasse de represar e transbordar, minhas palavras nadam no meu útero. Não há ar nos meus pulmões, mas paro de lutar contra a minha angústia. No meio desse maremoto todo, mesmo sem saber nadar, eu continuo tentando dar minhas braçadas.

_____________________________________________________________

17 comentários:

  1. Oi, Fernanda! O texto tocou-me imensamente, por vezes sinto-me assim também. Já pensei em desistir de tanta coisa em minha vida, inclusive do meu blogue, que tanto amo. Desejo-lne força e perseverança em sua jornada. Amei o texto. Abraço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo é cíclico. Então o lance é respirar e continuar seguindo, não?!

      Espero que você fique bem também. :)

      Excluir
  2. Agora você me deixou sem palavras.
    Eu costumo ler no meu dia a dia textos objetivos. Portanto este texto me deixou angustiado.
    No início eu entendi sobre o quanto foi árduo começar escrever o texto, mas depois as palavras se tornaram confusas e a objetividade se diluíu.
    Espero que sua intensão tenha sido criar esta angústia no leitor. Caso contrário me diga qual foi o seu objetivo ao criar esse texto.
    Um abraço.
    arquitetoversatil.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rafael!
      Obrigada por se dispor a ler meu texto, mesmo ele sendo diferente do que você está acostumado.
      Quanto ao significado, ele é o que é. O modo como você o sentiu não está errado (assim como as diferentes percepções dos outros leitores também não estão).
      Espero que você volte por aqui mais vezes!

      Um beijo :*

      Excluir
  3. Oi Fê! Escrevi justamente sobre o sofrimento que é escrever no meu blog ontem e concordo com você. Nessa pressão de ser mais, terminamos muitas vezes sem nem tentar e guardando pra nós tantas coisas (boas e ruins). Lindo texto! Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, menina. Essa pressão está acabando com as pessoas, cada um a seu modo!
      Espero que possamos sobreviver.

      Beijos :*

      Excluir
  4. Oi Fernanda, tudo bem?

    Acho que se não fosse o compromisso que eu combinei comigo mesma, talvez já tivesse parado de publicar. Escrever é muito prazeroso, mas ao mesmo tempo solitário demais às vezes. O silêncio às vezes é ensurdecedor. Pausas são muito necessárias nessas horas. Escrevo para me encontrar e não me perder de vez.

    Adorei o seu texto e a reflexão que gerou em mim! <3

    Beijos;
    Mente Hipercriativa | Universo Invisível

    ResponderExcluir
  5. Uau! Que texto incrível. Por vezes esses momentos de pausa são muito importantes.

    Boa semana!


    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  6. Você sempre agrega! Tudo o que a gente coloca no mundo agrega. Às vezes a gente te que ser um pouco irresponsável mesmo e fazer porque quer e pronto, pensar mais na gente do que nos outros (não sei se entendi certo, se estiver falando merda perdão).

    Explodir pra dentro é algo que bem entendo...

    E, por último, pausas são muito importantes!

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Liv!
      O texto é o que é. :) Sua interpretação também é válida. :)

      Beijos e obrigada pelo carinho :*

      Excluir
  7. Oi, Fê! Eu tenho me sentido assim ultimamente também... Quero escrever, mas parece que existe uma parede gigante na minha frente me impedindo de seguir em frente. Eu sei que eu posso escalar e continuar a caminhada, mesmo cansada, mas apenas a ideia desse esforço me deixa cansada. Estou tentando retomar o blog há meses, mas a verdade é que me sinto enferrujada com as palavras agora. Vou tentar retormar aos pouquinhos, mas não tem sido fácil. Espero que a gente encontre o ritmo certo para continuar com as braçadas... Força aí! Beijos

    Fernanda Ene
    https://www.confabulando.com.br

    ResponderExcluir

Olá!

♥ Quer comentar, mas não tem uma conta no Google? Basta alterar para a melhor opção no menu "Comentar como:". Se você não tiver uma conta para vincular, escolha a opção Nome/URL e deixe a URL em branco, comentando somente com seu nome.

♥ É muito bom poder ouvir o que você pensa sobre este post. Por favor, se possível, deixe o link do seu site/blog. Ficarei feliz por poder retribuir a sua visita.

♥ Quer saber mais sobre o Algumas Observações? Então, inscreva-se para receber a newsletter: bit.ly/newsletteralgumasobservacoes

♥ Volte sempre! ;)

Algumas Observações | Ano 14 | Textos por Fernanda Rodrigues. Tecnologia do Blogger.