{Resenha} Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna

by - 11:31 PM

Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna.

Escrito pelo paraibano Ariano Suassuna, em 1955, o Auto da Compadecida é um texto teatral em que o humor permeia profundas reflexões sobre a condição humana, principalmente aquela vivida no sertão nordestino brasileiro. 

Tendo sua primeira montagem no teatro em 1957 e três adaptações cinematográficas (a mais famosa, de 1999, com direção de Guel Arrais e roteiro de Adriana Falcão), o Auto conta a história de Chicó e João Grilo, de como eles se enrolavam em suas mentiras e de como isso levou João à morte, carregando consigo um bispo, um frade, um padre, um sacristão, o padeiro e sua fogosa esposa e um cangaceiro. O desenrolar da trama se dá no julgamento para decidir se os personagens irão para o céu, para o inferno ou para o purgatório.

Página de rosto.

Quem já assistiu ao filme já sabe que Chicó e João Grilo trazem consigo um humor refinado e sarcástico de quem muito sabe, mesmo sem ter a instrução escolar. A leitura do texto da peça é tão dinâmica quanto os personagens e é impossível não rir das atrapalhadas da dupla e dos argumentos de João Grilo durante o julgamento. Esse dinamismo causa no leitor uma vontade de não parar a leitura até que ela se finde. Levados por este humor, vamos até o último ponto final.

Suassuna conseguiu tocar em pontos significativos em sua dramaturgia. Baseando-se na literatura de cordel, o autor convoca para dentro de seus textos a tradição literária nordestina. Sem negar as falas, as fábulas, as lendas, os temas, o motes e o contexto, Suassuna realiza literatura de uma complexidade sem tamanho, numa simplicidade infinita, se apropriando de suas raízes. E, embora escreva um texto leve e gostoso de ser lido, ele não se exime de ir ao cerne de algumas questões importantes como o racismo (que os mortos sentem ao ver um Jesus negro), o papel da mulher (como os comentários sarcásticos que o diabo faz em relação ao poder que a Nossa Senhora tem, em contraste com a autoridade que ela exerce durante o julgamento das almas), a corrupção e a super valorização do dinheiro (que aparecem nas posturas dos religiosos e do padeiro), a seca, a fome, a pobreza e a violência do sertão (representadas pela malandragem de Chicó e João Grilo e pelo cangaceiro). 
Detalhes da uma das ilustrações de Romero de Andrade Lima.

Não é à toa os sucessos das montagens e dos filmes no Brasil e no mundo. Não é à toa que Ariano Suassuna conquista a todos com o seu jeito simples, porém profundo de se expressar. Não é à toa que o Auto da Compadecida se tornou um clássico do nosso teatro e faz com que tenhamos orgulho da nossa literatura e de sermos brasileiros (apesar da dificuldade relatada na própria peça). O texto é realmente fabuloso e merece ser lido por todos.

Livro: Auto da Compadecida
Autor: Ariano Suassuna
Gênero: dramático
Editora: Agir | Nova Fronteira
Ilustrações: Romero de Andrade Lima
Posfácio: Braulio Tavares
Páginas: 192
Sinopse: O Auto da Compadecida consegue o equilíbrio perfeito entre a tradição popular e a elaboração literária ao recriar para o teatro episódios registrados na tradição popular do cordel. É uma peça teatral em forma de Auto em 3 atos, escrita em 1955 pelo autor paraibano Ariano Suassuna. Sendo um drama do Nordeste brasileiro, mescla elementos como a tradição da literatura de cordel, a comédia, traços do barroco católico brasileiro e, ainda, cultura popular e tradições religiosas. Apresenta na escrita traços de linguagem oral (demonstrando, na fala do personagem, sua classe social) e apresenta também regionalismos relativos ao Nordeste. Esta peça projetou Suassuna em todo o país e foi considerada, em 1962, por Sábato Magaldi "o texto mais popular do moderno teatro brasileiro".
Livro no Skoob.

_____________________________________________________________

You May Also Like

5 comentários

  1. Oi Fe! Que resenha!!
    De todas as adaptações que você citou eu só conheço o filme de 99 e é um dos meus filmes preferidos, mas eu não sabia que tinha um livro, porque nunca pesquisei sobre!

    Me pareceu uma leitura gostosa e divertida e que como um bônus fala de assuntos importantes. :)

    Um beijo!
    Inventando Assunto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aline, tenho certeza que você irá gostar se ler!
      Ainda mais porque viu o filme.
      É tudo muito fiel, mto fresco.
      Gostei mto da minha experiência com este livro. Recomendo.

      Beijos

      Excluir
  2. Oi Fernanda.
    Sabe que desde que vi o filme fico pensando em como seria a leitura dessa peça. Todas as vezes eu imagino que deve ter mais reflexões sobre a vida do nordestino e o modo que ele tem que arrumar para se virar.
    Um belo dia eu faço essa leitura.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem sim. É incrível como o Suassuna conseguiu tocar em temas extremamente delicados com leveza e simplicidade. O livro é muito lindo, muito bem-feito, de uma leitura muito fluida.
      Certeza que você irá gostar!

      Beijos

      Excluir
  3. Woow eu não sabia que tinha o livro!! Deve ser GENIAL!! A peça já é. Agora bateu uma vontade louca de ler!!
    Me lembrou um pooouco Auto da Barca do Inferno. Tanto pela temática, quanto por ser "mascaradamente" critico. Sera?

    ResponderExcluir

Não deixe de observar também!

Sempre vou responder ao seu comentário por aqui; mas, se você deixar o seu link, farei questão de ir observar na sua morada! ;)