{Resenha} Todas as Mulheres, de Fabricio Carpinejar

Imagem: youtube.

Todas as Mulheres é o livro que marca a volta de Carpinejar à poesia (publicada em livros, porque ele sempre foi poético nas redes sociais). Partindo do ponto de vista hipotético do seu próprio velório, o escritor poetiza sobre as mulheres que passaram por sua vida, sempre se questionando quem será a sua viúva.

Um tanto mórbido, é verdade, mas o livro é um deleite para todos os amantes da poesia. Cada verso traz, além do lirismo, uma reflexão sobre as relações amorosas do eu-lírico, que faz com que nós, seus leitores, pensemos nos nossos próprios encontros e desencontros com o amor.



Vemos a morte e o nascimento das relações, vemos a autoconsciência tomando forma. Vemos o trágico e o lírico andando lado a lado, na fadada e eterna busca por um alguém. Carpinejar é incisivo ao criar versos questionadores que giram em torno da questão principal: "Quem será a minha viúva?". E aqui, o amor que aparece como o título da obra, uma espécie de dedicatória, define: o livro retrata o amor sentido por todas as mulheres - mãe, amigas, namoradas, todas aquelas que marcaram sua trajetória. É por meio da indagação retórica que vemos o seu eu-poético se abrindo e tentando entender o que fora para este possível amor que ele tinha a esperança que chegaria um dia.



Em paralelo à busca por sua viúva, os poemas retratam a força da mulher que um dia foi abandonada, que um dia quis sentir um amor verdadeiro e respeitoso, como nota-se nos seguintes versos:

Minha mãe que procurou demonstrar que os homens eram fracos,
que falham na palavra, que não firmavam seu compromisso.
Minha mãe, viúva sem morto,
amando por dois,
para não sofrer dissidências.

Todas as mulheres é uma obra que nos leva a pensar em quem somos e no que queremos ser para aqueles a quem amamos. Ela também nos mostra a força que todas as mulheres têm no seu processo de amar. A grandeza do amor e sua busca, a dor dos encontros e das despedidas e a eterna esperança nos movem a cada verso, a cada página.




Livro: Todas as mulheres
Autor: Fabricio Carpinejar
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 112
Sinopse: Concebido como um poema de poemas interligados, Todas as Mulheres apresenta um dos mais verticais mergulhos íntimos da contemporânea literatura brasileira e marca também a volta de Fabrício Carpinejar à poesia como quem nunca tivesse partido, sem deixar de ser ao mesmo tempo novo na acepção mais poderosa do termo, o novo quando audácia. Entre tantas manifestações do feminino, Carpinejar redescobre nos amores vividos o primeiro, enquanto busca por aquele que será o último.

_____________________________________________________________

You May Also Like

4 comentários

  1. oi, oi.

    eu não sou tão fã de poesia, mas sempre que tenho a oportunidade, eu leio sim, pq não tenho preconceito literário. leio de tudo. eu não conhecia esse livro do Fabrício. ele eu já tinha visto algumas coisas na internet.

    é tão bom quando pessoas que a gente admira consegue lançar obras assim tão boas, boas? eu sempre fico contente.

    bjs!
    Não me venha com desculpas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabrício é incrível, e eu recomendo a leitura da obra dele como um todo! :D

      Beijos,

      Excluir
  2. Amando por dois e viúva sem morto... entendo ele muito bem!!!Adorei a resenha :D

    ❥Blog: www.amigadelicada.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amar é complicado, mas sempre vale o esforço!

      Beijos

      Excluir

Não deixe de observar também!

Sempre vou responder ao seu comentário por aqui; mas, se você deixar o seu link, farei questão de ir observar na sua morada! ;)