domingo, 10 de maio de 2015

Quis ser o amor

Foto do jardim da Casa das Rosas.

Deus, como era bonito aquele amor! Era eterno, intenso. Sonhava com ele noite e dia. Tinha a pureza das crianças, a bravura do materno, a paixão da carne e a complacência do espírito. Pode haver algo assim? É possível explicar com uma única palavra?

Acho que nunca havia me sentido desta forma antes. Ele era único, o que tornava este sentimento todo possível, uma longa viagem que fazia a este meu novo eu: muito mais doce, muito mais gentil. Passei a entender o que as pessoas diziam sobre o estar apaixonado que nos transforma em seres cegos, surdos, mudos e bregas. Quem ama rejeita com unhas e dentes a maldade que há espalhada por aí. Comigo não foi diferente. Quis resistir à todas as notícias ruins. Quis ser o amor.

Quis ser a ternura. Aliás, me via como uma pequena produtora dela, em anos vindouros, com um bebezinho, um cachorro e você. Tipico comercial de margarina em que ninguém nunca tem que lavar a louça ou fazer qualquer outra tarefa doméstica, com tudo sendo sorrisos em um dia ameno de primavera.

Sonhei. E sonhei muito. Com afinco, com desejo, com toda a boniteza do amor, com todo ardor. Sonhei e fiz do amor que sentia, poesia. Sonhei e desejei, pedindo a Deus, rogando a Ele uma realidade ao seu lado. 

O lance é que nem todos os desejos se transformam em realidade (ou, em palavras mais consoladoras: os planos de Deus são outros). Nossas vidas tomaram outros rumos... Mas eu continuo aqui, querendo ser amor.

_____________________________________________________________

10 comentários:

  1. Ai!
    Assim eu sofro.
    Cadê o final feliz? hahaa
    Já estou sensível pelo livro que li e ainda leio um texto desse socoooooooooooorrooooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Léa, sendo muito sincera, também queria um final feliz, mas...
      :(

      Beijos!

      Excluir
  2. Já falei que você é perfeita?
    Eu amei!!! A Léa comentou aí em cima que queria o final feliz rs
    Eu já gosto dos finais menos tradicionais... E olha, eu também quis ser amor depois do seu texto :)
    Apaixonada!

    Meu Meio Devaneio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sô, você é uma querida.
      Falando deste texto em específico, ele é fruto de algumas coisas que aconteceram na minha vida. Todas elas sem finais felizes.
      Paciência, a vida segue.
      Ser amor é um caminho...

      Beijos! <3

      Excluir
  3. Respostas
    1. Ka, me sinto honrada - embora te deixar triste não seja o objetivo. Como escritora, é sempre lindo emocionar o leitor. Como pessoa, honestamente, não sei.
      O texto é fruto de uma experiência que foi incrível, mas muito dolorosa. Se consolar, já derramei lágrimas por isso também!
      Beijos e obrigada por estar aqui há tanto tempo!

      Excluir
  4. Nossa que lindo! Parece que você fala de um amor antigo que ainda existe até hoje em você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Anônimo!

      Amor que é verdadeiro não morre, não é mesmo? Apesar do sofrimento (que se transformou em raiva e que hoje é nostalgia), aprendi muito e vivi coisas boas neste relacionamento. Então, não teria razões para guardar nada além de amor.

      Fico feliz que você tenha gostado do que escrevi! :)

      Beijos!

      PS: Fiquei curiosa para saber quem é você! hahahah

      Excluir
  5. Indiquei esse texto LINDO lá no "Melhores da Semana": Meu Meio Devaneio
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Mas que bonito esse texto. Me lembrou quase um filme francês, não necessariamente precise de um final feliz, desde que tenha um final real.

    Blog Profano Feminino

    ResponderExcluir

Não deixe de observar também!

Sempre vou responder ao seu comentário por aqui; mas, se você deixar o seu link, farei questão de ir observar na sua morada! ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...