domingo, 12 de janeiro de 2020

Para onde vão os nossos bytes depois que a gente morre?


Acordo antes do despertador. Pela luz que atravessa a cortina da pequena janela, sinto que não sou a única: o Sol já está de pé. A estrela mais importante da estação despertara cedíssimo, com o canto do bem-te-vi. A ave, por sua vez, resiste cantando na antena do vizinho mesmo tendo as minhas gatas a observá-lo.

Acordo, porém não sei se me desperto. Apenas sinto: natureza me diz muito do meu futuro. Raízes que voam, que se deixam levar pela corrente de ar quente. Raízes que vagueiam de forma planejada. Sou árvore, mas também sou águia. Sou águia e, também, guia.

Continuo na cama. Desafios, eles pipocam na minha mente acelerada antes que possa controlá-los. Na rapidez, pego o celular e rolo a infinita tela do Instagram. Se a vida não é infinita, para onde vão os nossos bytes depois que a gente morre?

Coloco o celular de lado e as minhas mortes rondam meus pensamentos. Não a derradeira, que fará meu coração parar de bater e meu cérebro parar de enviar seus impulsos neuronais, não. Penso na morte que nasce das pequenas coisas. O quanto de mim morreu ontem? O que sobreviverá de mim para o amanhã? Nascer e morrer. Cada verbo numa ponta do tempo de vida, mas tão interligados em suas oposições...

Minhas raízes sussurram a minha essência. Meus sonhos me empurram para o céu. O horizonte é o limite, mas por que ele é tão distante? O calor do sol me aquece, mas também me queima. Já quanto ao bem-te-vi, bem, ele continua cantando, sem pensar.

_____________________________________________________________

3 comentários:

  1. Que lindo seu texto, enquanto lia senti uma paz tão grande dentro de mim, depois de um dia meio exaustivo.
    Tem horas que nem percebemos as coisas simples da vida como o amanhecer, a luz solar, os passarinhos cantando... porém, tudo fica despercebido quando colocamos as mãos no celular. Estou até tentando cortar esse mal hábito de querer olhar celular toda a hora e aproveitar as coisas naturais da vida, que são lindas e únicas.
    Beijos. 
    Diário da Lady

    ResponderExcluir
  2. Achei o post tão lindo, incrivelmente deu uma paz em ler o último paragrafo

    ___________

    - Conhece meu cantinho? Te encontro lá, hein?

    Blog Meu Baú de Estrelas
    Assista o último vídeo do canal
    Instagram

    ResponderExcluir
  3. Eu amei tanto esse texto que vou indicá-lo no meu próximo 5 dicas! Estava procurando algo para colocar na parte do Para Ler e senti aqui a emoção que queria sentir quando encontrasse o texto!

    A gente nasce e sabe que a vida é finita. O caminho que construímos entre o nascer e o morrer é conjugação do verbo viver!

    Adorei!

    Um beijo!

    ResponderExcluir

Olá!

♥ Quer comentar, mas não tem uma conta no Google? Basta alterar para a melhor opção no menu "Comentar como:". Se você não tiver uma conta para vincular, escolha a opção Nome/URL e deixe a URL em branco, comentando somente com seu nome.

♥ É muito bom poder ouvir o que você pensa sobre este post. Por favor, se possível, deixe o link do seu site/blog. Ficarei feliz por poder retribuir a sua visita.

♥ Quer saber mais sobre o Algumas Observações? Então, inscreva-se para receber a newsletter: bit.ly/newsletteralgumasobservacoes

♥ Volte sempre! ;)

Algumas Observações | Ano 13 | Textos por Fernanda Rodrigues. Tecnologia do Blogger.