quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Buscando um sentido

Foto feita por mim em Puerto Madero, Buenos Aires.

"Onde está o amor?"

A frase era a única inscrição dentro do envelope que ele carregava em suas mãos. O conteúdo precioso não continha assinatura; tão pouco, remetente. Entretanto, aquilo lhe despertou uma inquietude que ele nunca sentira. 

André era um jovem rapaz, no auge dos seus vinte e poucos anos. Quem o conhecia, bonito como era, não imaginava que seus olhos verdes e seu cabelo repleto de cachinhos fossem tão solitários. Agora, quem o via andando por aquela avenida movimentadíssima, assustava-se com sua cara de doido. Estava transtornado, querendo desvendar aquele mistério. Será que finalmente teria a sua resposta?

"Onde está o amor?"

Aquele que sempre fora decidido e objetivo, agora caminhava sem rumo, esbarrando nas pessoas. Sua urgência misturava-se com aquela sensação de que já conhecera aquela grafia tão bela e delicada no papel. Aquele perfume familiar... Aquela dúvida constante. O amor sobrevive ao caos dos escritórios se esvaziando ao fim do horário comercial?! Muitas pessoas. Muitos carros. Buzinas e um coração disparado. "AMOR". Quatro letras que, de uma hora para outra, queriam ganhar sentido na vida do tal nerd garanhão...

Amor. Ele ainda não sabia se era este sentimento que o guiava. Uma vez que não havia nenhuma direção, seguiu o seu instinto: fez o caminho de sempre, atravessando a multidão engravatada, rumo ao por do sol. 

Chegou à Consolação, entrou na livraria. Então a viu ali parada, em meio às obras poéticas. Sua grande amiga tinha um papel - talvez o mais importante nesta história -, o de segurar uma capa que dizia: "o amor sempre esteve aqui".

Este texto faz parte do Projeto Escrita Criativa, que reúne escritores e blogueiros para colocarem no “papel” suas ideias. Quem quiser conhecer mais, acesse a página ou o grupo do projeto. Lá há a lista de todos os blogs participantes. Um dos exercícios deste mês era fazer uma descrição (física e/ou psicológica) de um personagem que estivesse andando na rua com um envelope nas mãos. Meu texto ficou um híbrido de descrição e narrativa, mas eu gostei mesmo assim. E você, o que achou? Deixe a sua opinião nos comentários.
_____________________________________________________________

2 comentários:

  1. Oiee!!
    Como sempre, você escreve divinamente. Tenho pensado nisso e acho que deveria escrever um livro... Seria sucesso!
    Eu estou meio enrolada, vou ver se agora em setembro consigo escrever para o projeto.

    Beijos
    Meu Meio Devaneio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu preciso criar vergonha na cara mesmo!
      Quem sabe... quem sabe...

      Beijokas!

      Excluir

Não deixe de observar também!

Sempre vou responder ao seu comentário por aqui; mas, se você deixar o seu link, farei questão de ir observar na sua morada! ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...