[Resenha] Poemas Escolhidos de Gregório de Matos

Capa
Quando me deparei com Poemas Escolhidos de Gregório de Matos, pensei: “Uau! Quanta coragem!”, isso porque José Miguel Wisnik, responsável pela seleção e prefácio do livro, teve em suas mãos um desafio que não é seria vencido por qual quer um. Falando assim pode parecer um exagero, mas não o é. Gregório de Matos é considerado um dos maiores poetas Barroco das Américas. Além disso, nem todos os poemas atribuídos ao Boca do Inferno foram realmente escritos por ele. Logo, a proeza de Wisnik é plenamente justificável. 

O “Prefácio” dividi-se em três partes. Na primeira delas, “Esboço biográfico”, o leitor passa a conhecer quem foi Gregório de Matos e Guerra, nascido em Salvador (1633 ou 36) e morto no Recife (1696), arcebispo, marido, advogado – doutor in utroque jure*, pela Universidade de Coimbra -, poeta na Bahia colonial e dono de uma biografia cheia de aventuras, amigos e inimigos. A segunda, por sua vez, é um “Estudo Crítico” que apresenta as características do período vivido pelo poeta e como elas influenciaram em sua escrita: o embate entre a mentalidade jesuítica e a Contrarreforma, somadas à sua “consciência dividida entre a moral pública, ascética, e a prática sensual, privada”. A seguir temos, então, explicações sobre a poesia satírica – que registrou e criticou as transformações socioeconômicas vividas no política colonial –; sobre a poesia lírica-amorosa e seus confrontos entre asceticismo e sensualidade, corpo e alma – levando muitas vezes a oximoros preciosos – e sobre a poesia religiosa, em que “a dualidade matéria / espírito projeta-se na dualidade culpa / perdão”. Por fim, mas não menos importante, José Miguel Wisnik explica como foi o processo de seleção dos poemas e como a obra está organizada. 

Findada a leitura do “Prefácio”, o leitor encontra uma lista de uma pequena “Bibliografia”, também dividida em três partes: “Do autor”, “Antologias anotadas”, “Sobre o autor”. Os livros ali mencionados podem servir para quem, após a leitura, quiser aprofundar seus conhecimentos acerca de Gregório de Matos. E, em continuidade, temos os poemas organizados em: 

• Poesia de Circunstância (I - satírica e II – encomiástica) 
• Poesia Amorosa (I – lírica e II – erótico-irônica) 
• Religiosa 

O que dizer deles?! A força sonora (rimas, aliterações, assonâncias**) embala o leitor, tornando a leitura prazerosa. Os jogos de ideias, a ironia e zombaria das sátiras nos fazem gargalhar e ao mesmo tempo refletir (muitas das mazelas que li sendo alvo de críticas do Boca do Inferno nos tempos coloniais me fizeram recordar o que ainda hoje é vivido no Brasil). As intertextualidades com as figuras mitológicas provocam o leitor a querer saber mais sobre Baco, Apolo, Cupido, Janos, Saturno e tantos outros personagens clássicos. O vocabulário surpreende, já que muitos dos termos – alguns de baixo calão – ainda se mantém atual. Em suma, o livro é um deleite para apaixonados por poesia e/ou pelo Barroco. Ademais, as notas de rodapé ajudam o leitor a esclarecer o significado dos vocabulários em desuso e a entender quem são as pessoas e personagens citados nos poemas – fato que ajuda na interpretação do que é lido. 


Livro: Poemas Escolhidos de Gregório de Matos 
Autor: Gregório de Matos 
Seleção e prefácio: José Miguel Wisnik 
Ano: 2010 
Páginas: 360 
Coleção: Listrada 

_______________________
*in utroque jure = em ambos os direitos. Ou seja, no civil e no canônico. (Definição do site Revisões e Revisões
**Aliterações = repetição ritmada de um som de consoantes idênticas ou semelhantes em um verso. || Assonância = repetição ritmada de vogais idênticas ou semelhantes em um verso.

You May Also Like

2 comentários

  1. Fiquei bege em como você fala ou escreve difícil Fê! rsrsrs eu ri mais falei serio!

    adorei a resenha! e tô super curiosa pra ler um livro dele. Já tá na minha lista!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Escrevo difícil não! uahahahahaha

      Leia! É perfeito!
      Só toma cuidado pra não se assustar com as poesias satíricas! :X

      Excluir

Não deixe de observar também!

Sempre vou responder ao seu comentário por aqui; mas, se você deixar o seu link, farei questão de ir observar na sua morada! ;)