[Resenha] A visita cruel do Tempo, de Jennifer Egan

Capa
"Caminhões passavam nas pontes. A noite aveludada em seus ouvidos. E o zumbido, sempre aquele mesmo zumbido, que talvez, no final das contas, não fosse um eco, mas sim o barulho do tempo que passa".

Ler A Visita Cruel do Tempo, de Jennifer Egan, é inferir sobre as relações estabelecidas entre as pessoas. Como o que eu faço tem efeito na vida de outrem? Mais do que isso, quais são os impactos das atitudes – minhas e dos outros – no que sou, no que vivo e no mundo ao meu redor?

Esta reflexão surge desde a leitura sensorial que fazemos da capa. A ilustração, de Rafael Coutinho, nos remete aos quadros de Picasso, fazendo com que pensemos nas marcas do tempo: linhas podem ser vistas como trajetórias que se encontram, se interrompem, se misturam, se reúnem e se despedem umas das outras. Os vários olhos, rostos, dedos e bocas – todos enrugados –, contêm marcas, máculas, e indicam que a obra não tem um único personagem central. O tempo, mencionado no título, é o senhor-mestre que comanda as várias narrativas que compõe a história múltipla criada por Jennifer Egan. A inscrição retirada do Los Angeles Times não está ali à toa, A Visita Cruel do Tempo é mesmo “O melhor livro que você terá nas mãos”.

Passando a falar da estrutura da obra, Egan faz de nós, leitores, espectadores de uma história composta por várias micro narrativas interligadas (que formam os 13 capítulos). Esta composição me fez pensar: como ela terminará o livro? Este é um mistério que só se desvenda – belissimamente, diga-se de passagem – nas últimas linhas. A narrativa começa com a história de uma Sasha no início de sua vida adulta como assistente de Bennie Salazar, um executivo da indústria musical. A partir disso, a autora nos mostra a sua genialidade, dando a cada capítulo um ponto de vista diferenciado, com narrador de idade, década e geração próprias, brincando com as idas e vindas do tempo e com as conexões interpessoais de cada protagonista.

Falando assim, pode parecer confuso, mas isso é justamente o que nos faz querer devorar cada pormenor da trama: a narrativa torna-se ela própria um elemento surpresa, pois não sabemos quem será o próximo a contar a sua surpreendente história. Aqui vale uma nota interessante: todos os personagens têm uma ligação entre si. Por isso, o livro nos faz ponderar sobre as relações humanas. A decisão tomada na história de cada um impacta positiva ou negativamente na vida do outro, ainda que os capítulos sejam autossuficientes. A maneira como tudo é descrito me leva a pensar que A visita cruel do tempo é um forte candidato a ser adaptado para o cinema, pois daria um belíssimo filme.

Quem me conhece sabe o quanto sou criteriosa quando o assunto é best seller. Normalmente, nunca acho as obras que se tornam populares demais “tudo isso” que todos falam, todavia, A visita cruel do tempo me surpreendeu positivamente e me fez pensar que não é à toa que a obra foi uma das vencedoras do prêmio Pulitzer. Esta é uma leitura que, definitivamente, entrou para a lista das minhas preferidas e que recomendo a todos.

“É essa a realidade, não é? 
Vinte anos depois, a sua beleza já 
foi para o lixo, especialmente 
quando arrancaram fora metade 
das suas entranhas. 
O tempo é cruel, não é? 
Não é assim que se diz?”

Livro: A Visita Cruel do Tempo
Título original: A visit from the goon squad
Autora: Jennifer Egan
Tradução: Fernanda Abreu
Gênero: Romance americano
Editora: Intrínseca
Sinopse: Bennie Salazar é um executivo da indústria musical. Ex-integrante de uma banda de punk, ele foi o responsável pela descoberta e pelo sucesso dos Conduits, cujo guitarrista, Bosco, fazia com que Iggy Pop parecesse tranquilo no palco. Jules Jones é um repórter de celebridades preso por atacar uma atriz durante uma entrevista e vê na última — e suicida — turnê de Bosco a oportunidade de reerguer a própria carreira. Jules é irmão de Stephanie, casada com Bennie, que teve como mentor Lou, um produtor musical viciado em cocaína e em garotinhas. Sasha é a assistente cleptomaníaca de Bennie, e seu passado desregrado e seu futuro estruturado parecem tão desconexos quanto as tramas dos muitos personagens que compõem esta história sobre música, sobrevivência e a suscetibilidade humana sob as garras do tempo.


Leia o primeiro capítulo da obra, disponibilizado pela editora Intrínseca:


You May Also Like

15 comentários

  1. Seguindo,pode me seguii :)
    Vou assita seu blog todo diia
    ele é mt divoo
    kisses
    One-teens.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Ótima resenha, esse livro parece bacana.
    Aguardo sua visitinha no meu blog, beijos.
    http://an0itecer.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo elogio!
      O livro é muito bacana mesmo!

      Um beijo,

      Excluir
  3. Nao sabia que esselivro se tratava desse assunto, curti bastante, sabia? Ainda mais porque nao sabia da historia - historias interligadas em 13 capitulos, interessante... Amei sua resenha parabéns! ^^
    Sim!
    Muuuuito mara C;
    Pâm
    http://interruptedreamer.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pâm,
      a estrutura deste livro é genial!
      E a Egan falando de como ela teve a ideia, é incrível! :D

      Obrigada pelos elogios!
      Fiquei feliz por ter gostado!

      Um beijo,

      Excluir
  4. Eu adorei a resenha. É uma daquelas que dá vontade de comprar logo o livro pra ler.
    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vivian,
      faça isso porque vale muito a pena!

      Um beijo,

      Excluir
  5. Parece ser bem interessante, lendo sua resenha. Irei procurar pela Nobel da minha cidade. Gostei mesmo!

    http://cappuccinoeaconta.blogspot.com.br
    Faz uma visita?
    @PriscilaFrr

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Priscila,
      Fico feliz que você vá procurá-lo!
      Tenho certeza que será uma ótima leitura!

      Um beijo,

      Excluir
  6. Ótima resenha, o livro parece ser legal!
    space-sweet-girl.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Fiquei morreeendo de vontade de ler! Você indicou, e agora com a resenha, pronto! :P

    Respondendo a sua pergunta, feita há muito tempo.. só agora tive tempo pra me dedicar melhor e responder aos comentários no blog.. você perguntou como faço pra comer daquilo que não gosto. Pois então.. eu gosto de quase tudo. Quase tudo meeesmo! E então, não tenho tanta dificuldade. Mas, você pode pensar em alternativas. Formas diferentes de preparar os legumes. Em sopas, em sopas daquelas batidas.. ou até, souflês de legumes que não tenham a massa gordurosa, temperos e acompanhamentos fazer toda a diferença nos pratos! :)

    ;*

    ResponderExcluir
  8. Ai Bi!
    Obrigada por responder! :D
    Vou tentar estas alternativas sim!

    E, quanto ao livro, certeza que você vai amar!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  9. Estou morrendo de vontade de ler esse livro, só lí coisa boa sobre ele :) No começo não havia gostado da capa, mas depois de analisar um pouco eu acabei gostando haha :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia porque é incrível!
      E a capa é mais linda ao vivo do que no computador! ;)

      Excluir

Não deixe de observar também!

Sempre vou responder ao seu comentário por aqui; mas, se você deixar o seu link, farei questão de ir observar na sua morada! ;)