{Diário de Gateira} Como eu me preparei para ter um gato (e 6 passos para você se preparar também)

Adorável Poesia.

Olá, pessoal!
Hoje eu venho com mais um post da coluna Diário de Gateira, para contar como que eu me preparei para ter a Poesia.

A escolha de ter um bichinho deve ser consciente. Por isso, é bacana que o futuro dono tutor se informe de todas as variáveis que envolve cuidar de outro ser. Alimentação, banhos, doenças, características da raça, veterinário, brinquedos, espaço físico, custos, tempo para brincar (e levar para passear, no caso de um cachorro). Tudo conta. Sendo assim, separei seis passos que fiz antes da Poesia chegar, para que tudo desse certo. Acredito que quase todas as dicas a seguir servem não apenas para gatos, mas também para outros animais de estimação. Vamos lá?

1. Procure informação com quem já tem o mesmo animalzinho que você quer ter

Antes de adotar, conversei com vários amigos gateiros sobre as rotinas que os gatos deles têm e suas peculiaridades. Cada raça tem características distintas e foi importante ver o "ter um gato" sob vários ângulos. Durante essa fase eu também tive noção do quanto iria gastar por mês com areia higiênica e com ração. Isso foi útil para saber se ter um bicho estava ou não dentro do meu orçamento. 

No meu caso (que moro com meus pais e minha irmã), precisei ter certeza de que a casa não ficaria cheirando a xixi e cocô. Conversar com as amigas gateiras e entender como fazer a higiene correta foi primordial (fora que várias delas gravaram áudios e vídeos para tranquilizar o coração de todo mundo por aqui).


2. Procure informações na internet

Em fevereiro — quando decidi adotar —, eu estava em uma correria louca, então percebi que um dos jeitos mais prático de me informar seria assistindo a vídeos no YouTube. Durante as minha pesquisas, encontrei três canais que, até agora, ainda são os meus preferidos quando o assunto é gato: o Amora e Abelha, o Perito Animal (esse também fala sobre cachorro) e o Isa Gateira.

Amora e Abelha


Esse canal tem dois pontos fortes (além da Amora e do Abelha, claro!): os vídeos com tutoriais no estilo "faça você mesmo" que ensina muito de como criar materiais para interagir com os bichanos e os vídeos específicos sobre as diferentes raças de felinos, com todas as suas peculiaridades.


Perito animal


O que eu gosto no Perito Animal é a praticidade. Normalmente os vídeos são curtos e bem objetivos. Muitos deles explicam por que os felinos fazem o que fazem ou agem de determinada forma.


AMO (assim mesmo, em letra garrafais) o canal da Isa e aprendi muito com ela. Para que você tenha uma noção, passei tardes e tarde assistindo um vídeo atrás do outro. A Isa é estudante de medicina veterinária e tem 24 gatos, por isso a experiência dela com felinos é notável. Foi muito útil conhecer o canal dela, principalmente porque eu nunca havia ouvido falar sobre as doenças ou sobre os diferentes temperamentos felinos, e ela não só explica tudo muito bem, como mostra exemplos do que já vivenciou com um ou mais de seus gatos.





Lá no canal da Isa a gente também encontra vídeos sobre ração e areia higiênica, que também são muito importantes para quem nunca esteve nesse universo.

3. Escolha um veterinário antes do animalzinho chegar

Não espere o animal chegar na sua casa para procurar um veterinário. Emergências acontecem e é bom estar preparado (principalmente quando o bichinho em questão é gato. Para quem não sabe, eles são extremamente metódicos e só a mudança de onde ele vivia para o novo lar pode deixá-lo estressado a ponto de ficar doente).

No meu caso, aproveitei a conversa com uma amiga da minha irmã (que tem três gatos e que mora perto de casa) para pedir indicação. Quando ela me passou o nome da clínica, dei uma olhada no site e procurei a página do Facebook do lugar. Lá, li todas as avaliações deixadas por outros tutores (incluindo os de cães). Como todas elas eram muito positivas, resolvi dar uma chance.

Alguns dias depois que a Poesia chegou, ela passou mal e vomitou alguns vermes (na hora bateu um pânico, descobri que isso é comum entre filhotes de gatos e que, normalmente, eles pegam a verminose durante o período de amamentação). Foi um alívio saber que já tinha um lugar para levá-la.

4. Prepare o ambiente: compre os aparatos e brinquedos necessários

Poesia e seus ratinhos (pendurados na porta) na caixa de transporte.
A caixinha fica à disposição dela, para que ela não associe entrar ali com algo ruim (idas ao veterinário).

Qualquer animalzinho irá precisar de comedouros e caixa de transporte. No caso de gatos, é bacana ter potes de ração e de água espalhados pela casa, bem como mais de uma caixa de areia. A caixa de transporte deve permitir que o seu pet consiga ficar em pé e dar uma volta dentro dela, sendo assim, já comprei uma que permitirá esse movimento quando a Poesia for adulta (tamanho nº 2).

Gatos precisam de espaço vertical — eles se sentem donos do pedaço e gostam de observar o seu "reino" do alto, por questão de sobrevivência. Portanto, é importante ter espaços livres no alto da casa. No meu caso, não quero que a Poesia suba nos armários e na geladeira, por isso comprei prateleiras, que ficam vazias, para que ela possa transitar por ali.

Também comprei bolinhas, ratinhos, cordas e dei a ela um macaquinho de pelúcia (que ela ama abraçar e morder, como faria com um outro gatinho). É importante estimular a brincadeira, principalmente as que simulam a caça. 

Outro item importante é o arranhador. Gatos precisam afiar as unhas por questão de saúde e, sem arranhadores, eles fazem isso nas portas, camas e sofás. No caso da Popô, comprei o de sisal e o de carpete, mas ela não gostou. Então, tentei o de papelão e ela gamou e o usa como se não houvesse amanhã. Deste modo, fica a dica: teste diferentes tipos de formatos e materiais até que dê certo.

5. Tele a sua casa!

Antes da Poesia chegar, nós — meu pai e eu — telamos as janelas da casa. Para quem mora em apartamento, penso que isso seja uma regra dos próprios condomínios, por conta da altura. Entretanto, para quem vive em casa, telar é tão importante quanto. Gatinhos não foram feitos para passear. 

Ah, Fê, mas a minha gata/meu gato é castrada/castrado! Mesmo assim. Gatos que saem correm o risco de pegarem doenças graves nas ruas (já ouviu falar de Fiv e Felv? De sarna? De pulgas? Tenho certeza que você não quer uma infestação de pulgas que te faça jogar fora colchão, sofá, tapetes e cortinas...), de serem atropelados, de se perderem e não voltarem mais, e de serem mortos (infelizmente, ainda há muita gente preconceituosa com os bichanos).

É melhor gastar com telas e manter o seu gatinho em casa, do que ter o seu animalzinho perdido ou sofrendo de doenças e lhe fazendo gastar fortunas no veterinário.

6. Eduque as pessoas ao seu redor

Aqui em casa, quanto mais eu me informava, mais transmitia as informações a todos que moram comigo e que vêm aqui em casa com frequência. É importante compartilhar como é o comportamento canino/felino com quem vai conviver com o bichinho, principalmente quando há crianças que fazem parte desse grupo. Já ouvi e vi muitos casos de crianças que maltratam os animais de estimação sem saber que estão fazendo isso. Mostrar que não é legal empurrar, puxar o rabo, montar no gato ou cachorro e qualquer atitude do gênero ajuda a todos a conviverem felizes.

Em resumo:



Tenho certeza que, se você seguir essas 6 dicas básicas, a chegada do seu animal de estimação será tranquila e cheia de amor!

Beijos e queijos meus e da Popô! ;)
_____________________________________________________________

You May Also Like

2 comentários

  1. Oie, tudo bem?!

    Meu namorado e eu somos doidos para termos uma gatinha (já pensamos até no nome!). Mas infelizmente nós dois somos alérgicos a gatos (já aconteceu de termos que ir embora de algum lugar por conta de gato e fizemos os exames e a alergia foi comprovada). Enfim, vamos fazer um tratamento para que possamos realizar esse sonho quando tivermos nossa casinha <3 Gostei bastante do seu post, foi bem informativo e sincero! <3 E adorei a Poesia (que nome lindo) na caixinha de passeio!

    Beijos
    www.procurei-em-sonhos.com

    ResponderExcluir
  2. Ei fê eu deveria ter lido isso a alguns meses atrás, do nada resolvi adotar um gatinho da rua com 1 mês e custei a adaptar com ele (tanto eu quanto a minha casa) hahaha' pois nunca tive animal, hoje tenho dois um de 10 meses e outro de 2 o Murph e o Zeus e sou apaixonada, não vivo sem, faço tudo com eles, os meus como resgatei doentes e curei são gratos demais tão carinhos e bonzinhos, meus bebês kkkkkkk eu sigo a Isa gateira e ela me ajuda muito! Beijão!

    ResponderExcluir

Olá!

♥ É muito bom poder ouvir o que você pensa sobre este post. Por favor, se possível, deixe o link do seu site/blog. Ficarei feliz por poder retribuir a sua visita.

♥ Quer saber mais sobre o blog? Então, inscreva-se para receber a newsletter: bit.ly/newsletteralgumasobservacoes

♥ Volte sempre! ;)