sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

Gestação

Foto por Erastus McCart, via Unsplash.


Escrever é um troço que dói. Escrever é ir buscar palavras no recôndito da alma, para tentar nomear uma ideia de que nem se sabe se tem nome. Se não tiver, o autor que lute para encontrar o termo exato para tornar a tal ideia algo concreto, que o outro compreenda. Escrever é encontrar a ponta do rolo de fita adesiva transparente. A gente sempre se pergunta por que raios não dobrou a ponta para tornar o início mais fácil. Mas quem disse que nós, escritores, queremos facilidade?

A aula de escrita misturava os temas que mais gosto: filosofia e literatura. Entender quem sou e o que é viver, mas fazer isso de forma literária. Queimar a cuca, torrar os neurônios de tanto pensar e depois dizer que foi um personagem que quis assim ou assado. Vantagens de poder criar histórias. Algum álibi a profissão teria que trazer.

Eu, que venho pensando muito nos tempos e nas distâncias, me joguei de corpo e alma e coração e espírito. Fui fundo no oceano dos sentimentos e, como acontece com qualquer sujeito que mergulha sem se preparar, aconteceu de eu me perceber na escuridão, sem ar e sem saber o caminho de volta à superfície.

Escrever é um troço que dói, mas é também o processo de busca na nomeação do tudo que traz um respiro. Escrever é oxigênio para os dias em que a semente foi absorvida pela terra e ainda não sabe se vai vingar ou não. Escrever é seguir no túnel do tempo em direção ao passado sem futuro e ao futuro sem passado. Há cedo ou tarde nas profundezas do oceano?

Quando acho piamente que morri, é a escrita — a dor da escrita — que me mostra o quanto estou viva, o quanto ainda quero viver. Só é possível sentir algo quando o coração pulsa. Só é possível sentir, quando o oxigênio das palavras chega aos pulmões. Só assim existo.

Escrever é um troço que dói, porque a vida é um troço que dói. Mas mesmo em meio a tanta dor, é possível encontrar uma dose de alegria. A pequena felicidade chega vinda das águas uterinas, quando do líquido amniótico da língua um texto surge inteiro e, de modo robusto, ganha o mundo.

_____________________________________________________________

10 comentários:

  1. Que texto incrível, escrever é realmente algo que dói, mas que ao mesmo tempo é bom despejar as palavras e nossos sentimentos no papel, escrever é organizar emoções e a vida sim dói, dói quando crescemos, quando aprendemos algo de uma forma não tão agradável. Mas, é a vida e escrever é libertador também.
    Beijos.



    www.parafraseandocomvanessa.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo (escrita e vida) faz parte de aprender a escolher a estrada e a ser melhor. :)
      (E isso me lembra um dos meus poemas preferidos "The Road not taken", do Robert Frost).

      Um beijo :*

      Excluir
  2. Olá,
    Adorei o texto. Queria que escrever fosse um toquezinho, que a gente dá no teclado e surge tudo, mas é parte da gente. Se não estamos bem, nada flui. Dói mesmo.

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É que escrever é uma atividade que nos atravessa, não é mesmo?! Aí, não tem como ser atravessado em um toque de mágica.
      Talvez seja melhor assim...

      Um beijo :*

      Excluir
  3. Oi Fernanda,
    Minha mãe diz que se você está sentindo, é porque está dando certo.
    Você está dando o melhor de você e isso vale a pena.
    Belo texto!
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. "Escrever é um troço que dói", e como dói.
    Sempre amei escrever. Aqui em casa tem diários de quando eu tinha lá meus 8 anos de inquietações e pintava ao papel umas poesias sem pé e nem cabeça. Rimar palavras era minha diversão. E hoje, 10 anos depois, lendo aquelas agrupações de letras, sinto que não importa o quão o tempo passe, ou quão madura eu supostamente esteja, escrever nunca será tão ou mais fácil do que um dia já foi. Tento encontrar justificativas para essa dificuldade, esse desconforto que sempre ocorre quando nos arriscamos a escrever. Infelizmente, quase nunca encontro respostas. Ou se já encontrei, hoje, as esquece.

    Sou nova por aqui, e já me encontrei em tua crônica... Simplismente uma escrita pura, genuina. Também adoro filosofia hehe.
    Um forte abraço e parabéns pelo texto.

    www.criadoestapafurdio.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Any!
      Seja bem-vinda e volte sempre! :) Fico feliz de que você tenha gostado da crônica :) Assim como você, escrevo desde sempre e é isso que me conforta a vida. :)
      Ainda bem que há arte nesse mundo, não é?!

      Um beijo :*

      Excluir
  5. Eu acho que isso é porque realmente as palavras e frases carregam sentimentos. E esse misto de sentimentos que sentimos ao escrever, o leitor sente ao ler. É uma troca de experiências, de sensações.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A literatura promove a empatia.
      Eu espero que as palavras - tanto as minhas, quanto a de tantos outros escritores - nos movam a lugares melhores!

      Um beijo :*

      Excluir

Olá!

♥ Quer comentar, mas não tem uma conta no Google? Basta alterar para a melhor opção no menu "Comentar como:". Se você não tiver uma conta para vincular, escolha a opção Nome/URL e deixe a URL em branco, comentando somente com seu nome.

♥ É muito bom poder ouvir o que você pensa sobre este post. Por favor, se possível, deixe o link do seu site/blog. Ficarei feliz por poder retribuir a sua visita.

♥ Quer saber mais sobre o Algumas Observações? Então, inscreva-se para receber a newsletter: bit.ly/newsletteralgumasobservacoes

♥ Volte sempre! ;)

Algumas Observações | Ano 14 | Textos por Fernanda Rodrigues. Tecnologia do Blogger.