domingo, 15 de janeiro de 2023

Das venturas escondidas no pó do tempo

Das venturas escondidas no pó do tempo ⌛


Em 2022, não fiz uma retrospectiva dos principais acontecimentos do meu ano. Foram muitos. Morri e renasci tantas vezes que couberam décadas e décadas dentro dos 12 meses. Sou grata ao que me trouxe até aqui, mas o cansaço e a exaustão me venceram de tal maneira que antes de olhar para trás ou para frente, precisei fincar os dois pés no chão e sentir o que vem por dentro.

Cavucar as entranhas é um modo interessante de saber se já estamos prontos para ir para a próxima fase. Mais do que apenas olhar os dias no calendário ou constatar fatos, uma pergunta ronda o ar nesse período de transição que vai da última quinzena do ano às duas primeiras semanas de janeiro: como eu me sinto afinal?

Já fui cobrada por parecer fria demais. Já fui cobrada por ser sentimental demais. Hoje sou cobrada por ser profunda demais. O fato é que gosto de entender o cerne dos meus sentimentos e lutar contra isso me maltrata mais do que me ajuda. Para ser borboleta é preciso ser meleca dentro de casulo antes. Eu gosto de viver esse processo.


Como eu me sinto em relação a tudo isso? Essa é uma pergunta que me leva a caminhos instigantes. Esperançosamente instigantes. De modo paradoxal, é dessa busca vocabular, da procura de uma resposta concisa, que nasce o meu planejamento de 2023. Esperançosa — essa é a palavra-semente. Ter esperança é o que me faz continuar tentando.

Numa faxina aprofundada em armários e guarda-roupas separo roupas para doar. Houve uma Fernanda que vestiu e curtiu a vida com peças que hoje não fazem mais sentido. Infantil, séria, monocromática, magra, formal demais, informal de menos, muito jovem. Muitas vidas vividas dentro de um espaço-tempo que se foi e que abre espaço para o porvir.

Que seja um ano de gentilezas 💗💙



Existe uma infinidade de coisas que cabem na palavra futuro, incluindo o passado. Por isso, a surpresa veio ao reencontrar o velho espelho nas fotos analógicas da infância: com menos de um ano, meu mini-eu brincando com um gato; sendo uma bebê tranquila sobre a cama, com uma boina de artista; na mesma época, mas no verão, deitada na grama do Ibirapuera; anos depois, escrevendo letras no presente de dia das mães que pedia um desenho. O quanto da minha infância é prenúncio da minha essência adulta! Mais do que qualquer livro de psicologia, meu passado me jogou na cara o presente. Aliás, mais do que isso: meu passado me empurrou no abismo do futuro. Mas onde o olhar da beleza da vida foi parar, afinal? Esse eco me atingiu com a força de quem não tem resposta — talvez nunca as encontre —, mas continua procurando.

Em tempos tão turbulentos, a exaustão devora a boniteza, consome tudo o que há de mais singelo e nos cega. Que em 2023 estejamos menos cansados e mais atentos a essa essência que deseja brindar a gratidão de um futuro cheio de amor.


Vai mais uma crônica? Segue a sugestão: "Sobre cactos, vampiros e unicórnios".


_____________________________________________________________
Gostou deste post?
Então considere se inscrever na Newsletter para receber boletins mensais 
ou me acompanhar nas redes sociais: 

6 comentários:

  1. Sensacional, Fer. Compartilho das impressões e sensações. Obrigada por esse acolhimento em forma de identificação. Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ju, que carinho é ter seu comentário aqui. Depois de 2 anos tão complexos, a gente tem que se acolher, não é?
      Que seja um ano lindo por aí <3

      Excluir
  2. Nossa Fer, muito isso de ser necessário olhar pra dentro antes de olhar pra frente ou ficar analisando o que passou. É bom também te ver esperançosa depois de um ano que foi tão intenso.
    Esse momento do ano é sobre isso mesmo, se reencontrar, se entender e descobrir o que precisamos antes de olhar para o que queremos.

    Feliz Ano Novo.
    Um beijo e um abraço apertado.

    ResponderExcluir
  3. Ai, amiga, tem hora que a gente tem que parar e dar uma respirada, né?
    Espero que a gente consiga se ver pra matar a saudade e conversar sobre esses mergulhos. :)
    Um beijo

    ResponderExcluir
  4. Que bom que está aqui para contar essas histórias. Que seja um ano marcante e inesquecível.

    Boa semana!

    O JOVEM JORNALISTA está no ar com muitos posts interessantes. Não deixe de conferir!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir

Olá!

♥ Quer comentar, mas não tem uma conta no Google? Basta alterar para a melhor opção no menu COMENTAR COMO. Se você não tiver uma conta para vincular, escolha a opção Nome/URL e deixe a URL em branco, comentando somente com seu nome.

♥ É muito bom poder ouvir o que você pensa sobre este post. Por favor, se possível, deixe o link do seu site/blog. Ficarei feliz por poder retribuir a sua visita.

♥ Quer saber mais sobre o Algumas Observações? Então, inscreva-se para receber a newsletter: bit.ly/newsletteralgumasobservacoes

♥ Volte sempre! ;)

Algumas Observações | Ano 16 | Textos por Fernanda Rodrigues. Tecnologia do Blogger.